PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Com novo decreto, lockdown em Fortaleza já vai durar mesmo tempo do ano passado

As medidas restritivas, chamadas de isolamento social rígido pelo poder público, tem objetivo de frear a disseminação dos casos. Decisão segue em vigor em todo o Ceará até o próximo dia 28

Leonardo Maia
21:16 | 19/03/2021
Utilização de espaços públicos segue proibida durante o lockdown. (Foto: Barbara Moira/O POVO)
Utilização de espaços públicos segue proibida durante o lockdown. (Foto: Barbara Moira/O POVO)

Com o anúncio da prorrogação do decreto de lockdown em todos os municípios cearenses na noite desta sexta-feira, Fortaleza atingirá o mesmo período em que a Cidade ficou em isolamento social rígido durante a primeira onda, no ano passado: 24 dias. Desta vez, a medida mais rígida para conter a circulação da Covid-19 começou no dia 5 de março e irá, pelo menos, até o próximo dia 28.

Em 2020, o primeiro lockdown aconteceu na Capital entre os dias 8 de maio e 1° de junho, quando foi iniciado o plano de retomada econômica do Estado. A intenção de ambas as medidas é conter a circulação de pessoas e evitar o colapso da rede assistencial, que continua em acelerada expansão.

Leia Também | "Dia 1º de junho (de 2020) não vai mudar muita coisa", diz RC sobre início da retomada da economia

O ineditismo desta segunda onda, no entanto, é o vigor do lockdown em todos os 184 municípios cearenses. Com a prorrogação anunciada hoje, o Ceará completará 16 dias com a medida. Em live, o governador Camilo Santana considerou que já é possível observar uma “tendência de diminuição” dos indicadores da pandemia após a adoção de medidas rígidas.

Outro fato novo durante essa segunda onda é a corrida para obter vacinas. Se em maio de 2020, as perspectivas para obter um imunizante contra a doença pareciam bem distantes, agora o poder público se mobiliza para comprar as doses. Na live desta sexta-feira, Camilo confirmou a assinatura do contrato para aquisição direta de 5,87 milhões de doses da vacina russa Sputnik V.

Ele ponderou ainda que a maior dificuldade deste ano é que a crise na saúde atinge de forma grave todo o território. Na primeira onda, as regiões com quadro mais crítico se alternavam em cada intervalo de tempo. Nesta sexta-feira, todos os municípios cearenses enfrentam nível de alerta “altíssimo” ou “alto”, de acordo com classificação da Secretária da Saúde do Ceará (Sesa).