PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

"Dia 1º de junho não vai mudar muita coisa", diz RC sobre início da retomada da economia

Decreto de isolamento social será prorrogado durante o período de transição da retomada do comércio e terá detalhes divulgados nos próximos dias

Matheus Facundo
18:02 | 28/05/2020
FORTALEZA-CE, BRASIL, 01-05-2020: Roberto Cláudio, prefeito de Fortaleza (Foto: JÚLIO CAESAR)
FORTALEZA-CE, BRASIL, 01-05-2020: Roberto Cláudio, prefeito de Fortaleza (Foto: JÚLIO CAESAR)

O prefeito Roberto Cláudio (PDT) reafirmou, por meio de live no Facebook nesta quinta-feira, 28, a permanência do estado de isolamento social em Fortaleza mesmo após o inicio da plano de retomada gradual da economia, na próxima segunda-feira, 1º de junho. Detalhes da prorrogação do atual decreto, "com poucas mudanças", serão divulgados nos próximos dias.

"Dia 1º de junho não vai mudar muita coisa. Atividades específicas estarão liberadas. Os demais precisarão cumprir o isolamento social, o uso de máscara e a responsabilidade com a quarentena". Segundo RC, as medidas em vigor precisam continuar para reduzir mais ainda a procura por atendimento de quadros da Covid-19, de casos graves e óbitos.

O governador Camilo Santana (PT) anunciou transição para reabertura das atividades econômicas, a partir de segunda-feira, 1º de junho (01/06). No comércio, será autorizada na transição a abertura de lojas ligadas a material de construção, com horários de abertura determinados. Na construção civil, serão autorizadas obras com máximo de 100 operários, com até 31% de retomada.

Setor de higiene e beleza, como barbearias, manicures e salões de beleza poderão também abrir. Treinos esportivos, indústria têxtil e de calçados, fabricação de eletrodoméstico e a indústria automotiva também retornarão.

Roberto Cláudio frisou o caráter transitório do novo momento e afirmou que a qualquer momento o plano "obviamente pode ser interrompido".

"Isso tem um variável: a retomada só vai acontecer se a gente tiver critérios de saúde atendidos e que ambas as autoridades de saúde, municipal e estadual, tiverem a segurança que esse processo pode continuar sem colocar a vida das pessoa sem riscos e sem dar a disseminação da doença uma nova oportunidade", pontua o chefe do Executivo Municipal.