PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Dora Andrade: "É muito mais do que usar álcool nas mãos e usar máscara", alerta sobre isolamento

Ainda sob quarentena, a idealizadora da Escola de Dança e Integração Social para Criança e Adolescente (Edisca) conta ao O POVO um pouco de sua rotina diante suas renovações no âmbito do trabalho e pessoal

Marília Freitas
17:00 | 02/03/2021
A idealizadora da Edisca, Dora Andrade, segue em isolamento social quase um ano após o primeiro caso de coronavírus no Ceará. Ao O POVO, conta um pouco de sua rotina entre trabalho e reclusão pessoal (Foto: ACERVO PESSOAL)
A idealizadora da Edisca, Dora Andrade, segue em isolamento social quase um ano após o primeiro caso de coronavírus no Ceará. Ao O POVO, conta um pouco de sua rotina entre trabalho e reclusão pessoal (Foto: ACERVO PESSOAL)

O movimento envolvente e de puro contato das danças e espetáculos foi pausado devido a uma necessidade social. Em meio ao recesso, Dora Andrade reencontrou a palavra-chave reinventar, mantra durante o seu isolamento social após quase um ano da confirmação dos primeiros casos do novo coronavírus no Ceará. A idealizadora da Escola de Dança e Integração Social para Criança e Adolescente (Edisca) conta ao O POVO um pouco de sua rotina diante das renovações no âmbito do trabalho e pessoal.

LEIA TAMBÉM | Ainda em quarentena, músico Caio Castelo relata cotidiano em família e à distância

+ "Não poder abraçar é a pior parte", afirma ativista Silvinha Cavalleire sobre prática do isolamento

Aos 61 anos, Dora tenta se manter ativa tanto em casa e, quando viável, fora também. Segundo ela, não consegue ficar quieta e articulou campanhas de apoio a 300 famílias atendidas pela Edisca durante o isolamento social. “Eu passei três meses em casa, confinada, sem fazer absolutamente nada. Mas pelo clamor da família e da circunstância da fome, tivemos que ir para cima e para luta”, conta.

A pandemia só reforçou ainda mais o papel da Edisca diante da promoção do desenvolvimento humano de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. É um tanto quanto impossível não intercalar a vida de Dora com a Escola, fluxo que se manteve mesmo durante o distanciamento. “Minha vida foi um alto e baixo, idas e vindas dentre ficar reclusa e ir para a ação. O que me cura é estar na boa luta”.

Parte do grupo de risco do coronavírus, Dora segue trabalhando remotamente sempre que possível desde março. A flexibilização trouxe algumas atividades no campo, mas a dançarina segue mantendo medidas mais restritivas junto da filha e do esposo, em casa. “Para além do meu tédio, existem vidas humanas e uma circunstância de que eu preciso manter o cuidado de me proteger, proteger minha família e proteger os outros”, justifica.

LEIA TAMBÉM | "Tenho uma vida que já necessita de isolamento", diz escritora cearense Ana Miranda

"Trabalhar em casa é uma jornada contínua", diz a antropóloga Izabel Accioly

"Mesmo em isolamento, tentamos trazer proximidade", diz Alan Luz, pastor de igreja inclusiva

Dora nunca pensou em desistir do isolamento mais restritivo e o maior estresse durante a quarentena foi o sentimento pleno da reclusão. "É uma sensação indevida de estar muito protegida, quase que encarcerada, enquanto o povo que adoro e que trabalha comigo a vida toda estava correndo risco. Foi um momento de muita dificuldade e eu só melhorei quando voltei para o trabalho", relata.

O que cura e dá força diária à idealizadora são as campanhas de ajuda aos alunos e às famílias da Escola. Dentre as atividades, Dora conseguiu articular grupos de WhatsApp com as mães dos alunos, estabeleceu aulas remotas, conseguiu atendimento psicológico aos familiares e arrecadou toneladas de alimentos aos estudantes que estavam sem aulas presenciais. "É um acúmulo de realidades que deixa as vidas mais vulneráveis muito mais difíceis. Não ir para a escola significa, dentre outras coisas, uma refeição a menos".

Para desopilar em meio ao desânimo, até tentou intercalar meditações e ações de espiritualidade. Entretanto, o que realmente ocupou seu tempo de quarentena foi o trabalho remoto e as atividades domésticas. Com a flexibilização, o lazer de Dora vem sendo a visita de apenas amigos próximos que a cearense sabe que estão mantendo os cuidados contra a pandemia e de sua mãe.

Com os aumentos de casos do coronavírus em Fortaleza, Dora reconhece seus privilégios de estar em casa quando possível e na hora em que precisar. "O que me cura é estar na boa luta", reforça, detalhando as ações que segue fazendo no fluxo casa-trabalho-casa. Em 2021, a dançarina espera boas novas, mas teme que o ano seja de consequências de um 2020 pesado. "Precisamos dar mais transparência quanto a gravidade do momento: é mais que usar álcool nas mãos e usar máscara. É algo muito maior", alerta.