PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Viajantes de seis estados devem fazer quarentena quando voltar ao Ceará; veja lista

A medida, divulgada em nota técnica pela Sesa nessa segunda-feira, 1º, é consequência da circulação de novas variantes do novo coronavírus nas localidades. Países que também confirmaram a circulação também devem ser incluídos na lista de destinos

Leonardo Maia
18:39 | 01/02/2021
Além de pacientes oriundos de estados brasileiros, países de distintos continentes também entram na lista. (Foto: Thais Mesquita/O POVO)
Além de pacientes oriundos de estados brasileiros, países de distintos continentes também entram na lista. (Foto: Thais Mesquita/O POVO)

Atualizada às 19h02min

A Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (Sesa) lançou duas notas técnicas nesta segunda-feira, 1º, para orientar viajantes e profissionais da saúde sobre o monitoramento das novas variantes do coronavírus, já localizadas em seis estados do Brasil — Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Roraima, Pará e Sergipe. Ainda não há casos confirmados no Ceará, segundo a pasta.

No primeiro documento, destinado à pessoas que chegam ao Ceará oriundas dos estados com a circulação das novas cepas, a Sesa recomenda que seja realizada uma quarentena de 14 dias após o dia da chegada, com automonitoramento quanto ao surgimento de sintomas. Também são consideradas como áreas de risco com circulação de novas variantes os países Argentina, Canadá, Chile, Equador, Estados Unidos da América, Jamaica, México, Peru, Japão, Reino Unido, África do Sul e República Dominicana, assim como outros países que subsequentemente confirmarem circulação.

Caso já esteja com sintomas decorrentes de uma doença respiratória aguda durante ou após a viagem, o viajante deve procurar atendimento médico e compartilhar seu histórico de viagens com o profissional de saúde.

A segunda nota técnica, direcionada a profissionais que atuam na rede assistencial, detalha procedimentos para as unidades da rede de saúde estadual quanto ao monitoramento de casos suspeitos e eventual detecção da variante identificada no Amazonas.

Magda Almeida, Secretária Executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, explicou que o protocolo para acompanhamento dos casos da nova variante funcionará em logística conjunta com o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“A coleta do Swab (usado para a testagem) deve ser feita em duas amostras e enviado para o Hemoce para que seja analisado. Em seguida, a amostra segue para a Fiocruz do Amazonas ou do Rio de Janeiro para que a gente consiga realizar o mapeamento dessas amostras”, detalha.

No último sábado, a Sesa divulgou que investiga 55 pacientes com suspeita de infecção pela nova variante do coronavírus, originalmente identificada em Manaus. Entre os monitorados estão 33 do sexo masculino e 22 do sexo feminino; um deles chegou ao Estado transferido.

Durante entrevista enviada pela assessoria da pasta, Almeida ainda celebrou a marca de mais de 100 mil doses aplicadas contra o coronavírus no Ceará — valor correspondente a 48% dos imunizantes distribuídos até o momento. Há uma expectativa que a vacinação rápida possa inibir o surgimento de novas cepas do vírus, conforme defendeu Anthony Fauci, epidemiologista e conselheiro da Casa Branca, nesta segunda-feira.