PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Nutricionista cearense sugere uso de hidroxicloroquina e CRN desaprova conduta

Em nota, o Conselho Regional de Nutricionistas - 6ª Região (CRN-6) afirmou que a prescrição de medicamentos e/ou hormônios como atividade de competência dos nutricionistas não está prevista nas atribuições e áreas de atuação dos profissionais

18:40 | 26/05/2020
Em sequência de vídeos, Mirella afirmou que para obter resultado o uso deve ser feito assim que as pessoas
Em sequência de vídeos, Mirella afirmou que para obter resultado o uso deve ser feito assim que as pessoas "começarem a desconfiar" que estão com a doença (Foto: Reprodução/Instagram)

A nutricionista Mirella Freire sugeriu no dia 18 de maio, por meio de vídeos em stories do Instagram, que pessoas que apresentassem sintomas do novo coronavírus tivessem hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina em casa para iniciar “o quanto antes os tratamentos”, os quais ela disse que “sabe que são eficazes”.

LEIA MAISSecretaria da Saúde do Ceará retira recomendação de uso da cloroquina após estudos científicos

Na sequência de vídeos, a profissional afirmou que para obter resultado o uso deve ser feito assim que as pessoas “começarem a desconfiar” que estão com a doença. “Se você teve febre, dor na garganta, tosse”, disse. A nutricionista ainda informou que pacientes de mais de 80 anos que iniciaram precocemente o tratamento com os remédios se salvaram.

Ao final ela diz às pessoas que podem procurar qualquer médico, em hospital ou não, que dê orientações de como proceder com o tratamento. “Isso tudo deve ser dado no início dos sintomas. Consultem um médico: qualquer médico amigo, médica da família, médico do hospital. Consulte um médico e saiba como proceder caso você inicie os sintomas”, afirmou.

Em nota, o Conselho Regional de Nutricionistas - 6ª Região (CRN-6) afirmou que a a prescrição de medicamentos e/ou hormônios como atividade de competência dos nutricionistas não está prevista na Resolução CFN nº 600/2018, a qual define as atribuições e áreas de atuação dos profissionais.

Ainda em nota, o órgão afirma que é vedado ao nutricionista, de acordo com o Código de Ética, praticar atos danosos aos indivíduos e à coletividade sob sua responsabilidade profissional, que possam ser caracterizados como imperícia, imprudência ou negligência.

Dessa forma, o CRN-6 afirmou desaprovar a prática de prescrição de medicamentos, endossando que há o risco da nutricionista responder a Processo Interno Ético Disciplinar.

O CRN-6 ainda pontua que o que compete ao profissional é fazer prescrições dietéticas. “Compete ao nutricionista a prescrição dietética, como parte da assistência hospitalar, ambulatorial, em consultório de nutrição e dietética e em domicílio, elaborada com base nas diretrizes estabelecidas no diagnóstico nutricional, a partir de informações clínicas, bioquímicas, antropométricas e dietéticas”, pontua.

Secretaria da Saúde do Ceará retira recomendação de uso da cloroquina

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) retirou a recomendação do uso de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com o novo coronavírus. Em nota nessa segunda-feira, 25, a Sesa orientou que a decisão fosse “avaliada criteriosamente” e citou efeitos colaterais dos medicamentos.

Ainda em nota a Sesa afirmou que a decisão foi tomada após análises de estudos científicos que comprovam efeitos colaterais dos remédios. A pasta ainda pontuou que não existe “estudos robustos efetivos que demonstrem a eficácia” das medicações até o momento.

O Brasil é um dos únicos países do mundo que incluiu a prescrição de uso de hidroxicloroquina para pacientes com coronavírus com sintomas leves. A mudança de protocolo, confirmada pelo Ministério da Saúde na última quarta-feira, veio após pressão do presidente Jair Bolsonaro. A polêmica sobre o medicamento gerou a queda de dois ministros, os médicos Henrique Mandetta e Nelson Teich, que se posicionaram contra a ampliação do uso.

LEIA TAMBÉM | Cloroquina, o remédio que Bolsonaro converteu em arma política no Brasil