PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Carros de som do Governo reforçam necessidade do isolamento social para conter a Covid-19

Veículos oficiais do Estado foram registrados por moradores na manhã desta quarta-feira, 15, nos bairros Meireles e Praia de Iracema

Lais Oliveira
13:02 | 15/04/2020

Moradores dos bairros Meireles e Praia de Iracema, em Fortaleza, registraram na manhã desta quarta-feira, 15, carros de som do Governo Estadual que divulgavam mensagem reforçando a importância do isolamento social. "O melhor a fazer é se prevenir. Evite contato social e fique na sua casa o máximo possível", recomendava o aviso sonoro como medida para conter o coronavírus. De acordo com a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), a iniciativa começou hoje e os carros estão circulando na Capital e no interior.


A mensagem também alertava sobre o possível colapso no sistema de Saúde do Ceará, quando não haverá capacidade para atender às pessoas infectadas. "Quanto mais pessoas nas ruas, maior o número de casos da doença. Se todos pegarem o coronavírus ao mesmo tempo, vão faltar profissionais da saúde e vagas nos hospitais públicos e particulares".



Por fim, o recado apelava reiterando que a menor circulação das pessoas pode reduzir a disseminação da Covid-19. "Você pode ajudar a salvar muitas vidas. Fique em casa. Com menos pessoas circulando, corremos menos perigo de uma só vez".



Governador e prefeito reforçam importância do isolamento social


Há dois dias o governador Camilo Santana (PT) classificou o crescimento da doença como assustador e se mostrou preocupado com as aglomerações registradas no Ceará. Ele apontou o isolamento social como "única medida para diminuir a curva de contaminação (por coronavírus) e para não exaurir o sistema de saúde"


Enquanto isso, em entrevista à rádio O POVO/CBN nesta segunda-feira, 13, o prefeito Roberto Cláudio (PDT) relembrou a necessidade de se obedecer ao distanciamento social, evitando aglomerações para diminuir a propagação do coronavírus. "O maior problema não é nem tanto os comércios que estão abrindo as portas de forma ilegal, o maior problema são as aglomerações em calçadas, em bares informais, em feiras livres", afirmou RC.