Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

"O Esquadrão Suicida" lidera bilheterias, mas enfrenta impactos da pandemia

"O Esquadrão Suicida", liderou as bilheterias do cinema neste fim de semana, mas arrecadou apenas US$ 26,6 milhões, indicou o observador da indústria Exhibitor Relations
Autor - AFP
Foto do autor
- AFP Autor
Tipo Noticia

Com os temores pela covid-19 novamente em alta na América do Norte, o novo filme de super-heróis da Warner Bros/DC, "O Esquadrão Suicida", liderou as bilheterias do cinema neste fim de semana, mas arrecadou apenas US$ 26,6 milhões, indicou neste domingo, 8, o observador da indústria Exhibitor Relations.

O filme, apelidado de uma pseudo-sequência do grande sucesso de 2016, "Esquadrão Suicida", novamente apresentou as estrelas Margot Robbie e Viola Davis, mas dois grandes nomes da versão anterior - Will Smith e Jared Leto - ficaram de fora. O lançamento simultâneo na plataforma de streaming HBO Max prejudicou ainda mais o total de bilheteria.

Hollywood tem lutado para retornar aos níveis anteriores à pandemia. "Este é um mercado implacável", disse David Gross, que dirige a empresa de consultoria Franchise Entertainment Research, à Variety.

O líder de bilheteria da semana passada, a aventura familiar da Disney "Jungle Cruise", caiu para o segundo lugar, arrecadando US$ 15,7 milhões no período de sexta a domingo, menos da metade do total da semana anterior. O filme, que dá um toque moderno a uma atração de um parque de diversões dos anos 1950, é estrelado por Emily Blunt e Dwayne Johnson.

Em terceiro, ficou o thriller psicológico da Universal, "Tempo", com US$ 4,1 milhões. Gael Garcia Bernal, Vicky Krieps e Rufus Sewell estrelam a história de M. Night Shyamalan sobre um grupo de pessoas que começam a envelhecer precipitadamente enquanto estão presas em uma praia isolada.

Em quarto lugar, pela segunda semana consecutiva, ficou "Viúva Negra", filme da super-heroína da Marvel/Disney protagonizado por Scarlett Johansson, que arrecadou US$ 4,0 milhões. Agora, seus lucros domésticos somam US$ 174 milhões, ultrapassando "Velozes e Furiosos 9", da Universal, como o longa de maior bilheteria nos Estados Unidos e no Canadá até agora este ano.

E em quinto lugar, o filme de Matt Damon "Stillwater", da Focus Features, arrecadou US$ 2,9 milhões. Damon interpreta um americano que viaja para a França para ajudar sua filha afastada (Abigail Breslin) quando ela é presa por um assassinato que diz não ter cometido.

Em seguida, completando o top 10: "O Cavaleiro Verde" (US$ 2,6 milhões); "Space Jam: Um Novo Legado" (US$ 2,5 milhões); "Snake Eyes" (US$ 1,6 milhão); "Escape Room 2" (US$ 1,3 milhão); "Velozes e Furiosos 9" (US$ 1,2 milhão).

Podcast Vida&Arte

O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

História de amor entre Shakira e Piqué viraliza nas redes sociais; entenda

Copa do Mundo
16:42 | Ago. 09, 2021
Autor Clara Menezes
Foto do autor
Clara Menezes Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O jogador de futebol Gerard Piqué e a cantora Shakira estão casados há uma década, mas a história de amor do casal retornou aos assuntos mais comentados do Twitter. Usuários da internet resgataram uma entrevista do atleta para o canal de televisão TV3 em 2016, em que ele conversa sobre quando os dois se conheceram.

Tudo começou em 2010, quando a Copa do Mundo acontecia na África do Sul. Na época, a artista intepretava a música-tema do evento, “Waka Waka”. O zagueiro, por outro lado, competia no time da Espanha.

Ele, então, decidiu escrever para Shakira sobre o clima do país em que estavam. “Ela estava lá porque ia cantar na abertura e lhe perguntei como o clima estava. A típica pergunta estúpida”, revelou.

O diálogo clichê poderia ter terminado com esse questionamento, mas ela continuou no tema. “Ela começou a me contar como estava o tempo com detalhes. Chegou ao ponto em que eu disse a ela que teríamos que chegar à final da Copa do Mundo para vê-la novamente, já que ela estaria cantando na cerimônia de encerramento", afirmou.

Foi o que aconteceu: após uma série de vitórias, a Espanha e os Países Baixos competiram para saber que equipe levaria o ouro. Naquela edição, foi o time espanhol que venceu.

Podcast Vida&Arte
O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker. Confira o podcast clicando aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Do game para o cinema: "Free Guy" explora fronteira entre real e virtual

Estreia
16:19 | Ago. 09, 2021
Autor AFP
Tipo Noticia

O que acontece quando um personagem em um videogame escapa do algoritmo de seus criadores? A comédia de ação "Free Guy", que estreia ao redor do mundo esta semana, explora a fronteira entre o virtual e o real usando códigos de "gamers".

A premissa é uma reminiscência de "O Show de Truman" (1998), no qual Jim Carrey interpretou um corretor de seguros comum que involuntariamente protagonizou um reality show, sem saber o que estava acontecendo.

Duas décadas depois, os gigantes da internet sonham com mundos paralelos que mesclem o virtual e o real. E, em "Free Guy", o anti-herói, interpretado por Ryan Reynolds, é um dos muitos personagens coadjuvantes com quem às vezes podemos interagir em videogames ultra-realistas como Grand Theft Auto.

Todas as manhãs, Guy se levanta, cumprimenta seu peixinho dourado, queima a boca com um café excessivamente quente, alheio às explosões e brigas que acontecem ao seu redor. Mas, quando ele finalmente toma seu destino em suas próprias mãos, o mecanismo desenvolvido pelos criadores do jogo se descontrola.

O diretor, Shawn Levy, comparou o filme a "um antídoto para muito do que vivemos" com a pandemia. "O filme é sobre esperança e preservação de alguma inocência em meio a um mundo muito cínico", acrescentou ele em uma apresentação esta semana em Nova York.

Com um tom lúdico aprimorado em sua trilogia "Uma Noite no Museu", onde esqueletos e animais empalhados ganham vida à noite, Levy brinca com uma galeria de personagens familiares de jogos de sucesso como Fortnite.

Tendo como pano de fundo uma história de amor, a trama também se desenrola do outro lado da tela, no espaço aberto do editor de videogame, um ambiente moderno e descontraído onde todos os truques são permitidos.

Além de Ryan Reynolds, o elenco inclui Joe Keery, mais conhecido pela série "Stranger Things", Jodie Comer, famosa por seu papel em "Killing Eve", e Taika Waititi, como o chefe ávido por lucro.

Produzido pela 20th Century Studios, de propriedade da Disney, "Free Guy" está sendo fortemente promovido nos Estados Unidos. Shawn Levy afirma que já está considerando uma sequência.

Podcast Vida&Arte

O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Bronze nas Olimpíadas, tenista Luiza Stefani é vice-campeã do WTA de San Jose

Tênis
16:19 | Ago. 09, 2021
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A tenista brasileira Luiza Stefani, medalhista de bronze nas Olimpíadas de Tóquio 2020, foi vice-campeã do torneio WTA 500 de San Jose, na Califórnia, ao lado de sua nova parceira Gabriela Dabrowski, do Canadá, em final disputada na noite deste domingo, 8, diante de dupla formada pela eslovena Andreja Klepa e pela croata Darija Jurak. A partida terminou em 2 sets a 0, com parciais de 6/1 e 7/5.

"Pena hoje. Decepcionada com essa final para ser honesta, com o jogo em si. Segundo set joguei muito bem, melhoramos bastante, mas não deu para concretizar nosso plano de jogo. Elas foram mais inteligentes taticamente, bem disciplinadas do começo ao fim e faltou um pouco isso para gente", avaliou a tenista.

Luiza, que viajou direto de Tóquio para a Califórnia após disputar os Jogos Olímpicos, comentou sobre sua participação ao lado de sua nova dupla no torneio. Para a atleta, a parceira com a canadense tem potencial e, com treinos, terá melhores resultados.

''A lição da semana é que podemos melhorar. Gosto muito do potencial da nossa parceria. Foi um bom começo, o mais importante é que vamos poder trabalhar para melhorar e fazer mais ajustes com um pouco mais de tempo. Cheguei em cima da hora aqui, vinda de Tóquio, e estou me sentindo super bem em quadra, saudável, o que é importante. Agora é uma questão de trabalhar juntas, descobrir nossa comunicação, o jeito de jogar para termos sucesso nos próximos torneios da gira'', comentou.

Agora, o próximo compromisso de Luiza e Gabriela será no Canadá, onde disputarão o WTA 1000 de Montreal. As atletas embarcam nesta segunda-feira para o torneio. A estreia será contra a dupla formada pela tcheca Renata Voracova e pela alemã Julia Wachaczyk.

''Vou pegar um voo para Montreal, uma logística nada fácil, e seguir no embalo para buscar um bom resultado lá", completou Luiza.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Atletas LGBTQUIA+ seriam 7º na Olimpíada em Tóquio, caso fossem um país

16:06 | Ago. 09, 2021
Autor Lucas Mota
Foto do autor
Lucas Mota Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O levantamento do site Outsports aponta que se os 180 atletas, que se declararam publicamente como LGBTQUIA+, fossem considerados um país, eles encerrariam a participação na Olimpíada de Tóquio em sétimo lugar. Ao todo, foram conquistadas pelo grupo 32 medalhas, sendo 11 ouro, 12 de prata e nove de bronze.

O Outsports é um site especializado na comunidade LGBTQUIA+. No levantamento, foi considerada conquista em esportes coletivos que tivessem na equipe pelo menos algum atleta LGBTQUIA+.

O desempenho destes atletas, caso fossem um país, ficou acima do rendimento no quadro de medalhas do Brasil, Holanda, França e Itália, por exemplo. Na delegação brasileira, três desportistas que subiram ao pódio se declararam LGBTQUIA+: Carol Gattaz e Ana Carolina, prata no vôlei, e Ana Marcela Cunha, ouro na maratona aquática.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Prefeitura do Rio veta público no Maracanã em jogo do Fluminense na Libertadores

Público nos estádios
16:05 | Ago. 09, 2021
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A partida entre Fluminense e Barcelona de Guayaquil, pela Copa Libertadores, nesta quinta-feira, 12, não terá presença de torcedores no Maracanã. O clube carioca informou que a Prefeitura do Rio de Janeiro não liberou a presença de público no estádio devido ao aumento do número de casos de Covid-19 e dos riscos trazidos pela nova variante Delta.

O Fluminense havia enviado um projeto para a Prefeitura do Rio, solicitando cerca de 5% dos torcedores no Maracanã, mas a proposta foi vetada. O clube sugeriu que o jogo fosse utilizado como evento teste. A ideia era receber apenas 4.460 sócios já vacinados com a segunda dose e cumprindo regras de precaução.

A Prefeitura considerou que o protocolo apresentado foi adequado, com necessidade de pequenas correções. Mas informou também que a decisão de veto tem a ver com o aumento considerável de casos de Covid-19 no Rio de Janeiro nos últimos dias.

Por fim, o Fluminense se colocou à disposição para apoiar no combate à pandemia e avisou que "convidará seus funcionários a participar, como voluntários, do esforço de vacinação, unindo esforços com as autoridades de saúde municipais".

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags