PUBLICIDADE
Vida & Arte
NOTÍCIA

Paulo Coelho oferece auxílio para festival de jazz 'antifascista'

A "única condição" desse apoio, acrescentou, é que o festival mantenha o sua missão "antifascista e pela democracia", como foi anunciado em publicação de 2020

19:22 | 14/07/2021
Paulo Coelho oferece auxílio para Festival do Capão (Foto: Divulgação)
Paulo Coelho oferece auxílio para Festival do Capão (Foto: Divulgação)

O escritor Paulo Coelho se ofereceu, nesta quarta-feira, 14, para financiar um festival de jazz que teve um pedido de recursos públicos rejeitado após se definir como "antifascista", em uma crítica ao governo de Jair Bolsonaro.

"A Fundação Coelho & Oiticica se oferece para cobrir os gastos do Festival do Capão", postou no Twitter o autor de "O Alquimista", morando em Genebra, que desde 2015 tem uma fundação juntamente com a sua esposa, a artista plástica Christina Oiticica. Os recursos, solicitados por meio da Lei Rouanet de incentivo à cultura, chegam a 145 mil reais, afirmou.

Leia Também | Paralisar para reduzir: como Bolsonaro tenta nocautear a cultura

A "única condição" desse apoio, acrescentou, é que o festival mantenha o sua missão "antifascista e pela democracia", como foi anunciado em publicação de 2020.

O Festival de Jazz do Capão, organizado desde 2010 na Chapada Diamantina, na Bahia, afirma que teve seu projeto rejeitado pelo governo pela primeira vez, por motivos "ideológicos".

Segundo os organizadores, a Fundação Nacional de Artes (Funarte) alegou em seu parecer técnico que a verba deveria ser negada, entre outros motivos, porque a realização do Festival destaca seu caráter "antifascista" e "a favor da democracia".

Leia Também | Porto Iracema das Artes abre inscrições para cursos virtuais

"Não podemos aceitar o fascismo, o racismo e qualquer forma de opressão e preconceito", afirmava uma publicação do Festival em junho de 2020, quando vários setores artísticos publicaram mensagens semelhantes em protesto ao governo.

Os organizadores relatam ainda que o parecer técnico da Funarte que justifica a recusa de entrega de dinheiro invoca a Deus em várias passagens. "O objetivo e finalidade maior de toda música não deveria ser nenhum outro além da glória de Deus e a renovação da alma", diz o parecer, atribuindo a frase ao compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750), segundo os organizadores.

Leia Também | Cannes: Diretora e elenco de "Medusa" denunciam a crise de saúde no Brasil

A Funarte disse à AFP que as análises de projetos relacionados à Lei Rouanet são realizadas em primeiro lugar por consultores da área técnica e que ainda não foi tomada uma "decisão final" sobre o pedido de recursos. "Neste caso, o parecerista concluiu que haveria 'desvio do objeto'. Neste momento, o parecer segue para análise da Funarte e da Secretaria Especial da Cultura, que podem acatá-lo ou recusá-lo", acrescentou a instituição, que negou praticar qualquer tipo de censura.

Em seus dois anos e meio de mandato, Bolsonaro esteve em pé de guerra contra grande parte da classe artística, que o acusa de censura e retrocessos por promover uma luta contra o que chama de "marxismo cultural".

Leia Também | Privatização dos Correios: como a situação impacta o mercado editorial?

Entre os episódios mais marcantes dessa "guerra cultural" estão a renúncia de um secretário de Cultura que fez um discurso com referências ao ministro da propaganda nazista Joseph Goebbels e um presidente da Funarte que afirmou que o rock leva ao aborto e ao satanismo.

Podcast Vida&Arte
O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.