PUBLICIDADE
Vida & Arte
Noticia

"Ti Ti Ti": Isis Valverde relembra sua primeira protagonista em entrevista

Na trama de Maria Adelaide Amaral, ela viveu sua primeira protagonista após alguns papéis de destaque na televisão

10:00 | 20/06/2021
Isis Valverde fala sobre seu primeiro papel como protagonista (Foto: Divulgação/ Globo)
Isis Valverde fala sobre seu primeiro papel como protagonista (Foto: Divulgação/ Globo)

"Ti Ti Ti" marcou a carreira de Isis Valverde de forma muito especial. Na trama de Maria Adelaide Amaral, ela viveu sua primeira protagonista após alguns papéis de destaque na televisão. E a personagem é de Minas Gerais, como a atriz.

"Marcela foi minha primeira personagem protagonista e ainda tive a oportunidade de interpretar uma jovem mineira como eu. Gravamos em Belo Horizonte e foi muito gostoso na época estar lá, em uma cidade onde vivi, para contar essa história. Acho que me deu sorte!", acredita.

Em entrevista, Isis relembra o trabalho na novela, os bastidores, os principais desafios e sua relação com a escrita e a moda, universos presentes na trama. Exibida no "Vale a Pena Ver de Novo", "Ti Ti Ti" é escrita por Maria Adelaide Amaral, com direção de núcleo de Jorge Fernando e direção de Marcelo Zambelli, Maria de Médicis e Ary Coslov.

Leia também | Reabertura dos equipamentos culturais: confira as datas e os locais

- Como está sendo a experiência de rever "Ti Ti Ti" no "Vale a Pena Ver de Novo"? Gosta de rever seus trabalhos?
Isis Valverde: Eu gosto de rever os trabalhos antigos, sim. Me divirto relembrando. Além disso, para mim, como atriz, é um ótimo exercício porque, ao me ver atuando, tenho mais noção do que posso melhorar, ajustar, fazer diferente. Eu gosto de me ver em cena por isso também.

- Qual a importância da Marcela na sua carreira?
IV: Marcela foi minha primeira protagonista. Era uma personagem mais madura, que tinha um registro bem diferente da Ana do Véu, de "Sinhá Moça", da Camila, de "Caminho das Índias", e da Rakelli, de "Beleza Pura", minhas personagens anteriores. Além disso, eu e Marcela compartilhamos uma coisa muito especial: nós duas somos mineiras (risos). As primeiras cenas que gravei foram em Belo Horizonte e passou um filme na minha cabeça de tudo que vivi ali. Foi muito bom ter essa experiência de gravar lá, um lugar especial para mim, que faz parte da minha história.

- Quais foram os principais desafios em sua primeira protagonista de novela?
IV: Cada personagem traz seu desafio. Betina, em "Amor de Mãe", me desafiou a contar a história dos profissionais de saúde que estão na linha de frente se arriscando todos os dias para salvar vidas. Foi uma responsabilidade muito grande, e me senti muito honrada de poder fazer isso. No caso da Marcela, o meu desafio era fazer uma mocinha clássica, que sofre muito ao longo da história e, ao mesmo tempo, dar a ela uma leveza, um humor. Jorginho Fernando me ajudou muito nessa parte. Como a história tinha muito humor, conseguimos trazer esse registro para a Marcela também. Acho que isso humanizou ainda mais a personagem e fez o público se identificar com ela.

Leia também | Documentário sobre Juliette Freire estreia neste mês no Globoplay

- O que carrega de lembranças do trabalho com o Jorge Fernando e com o elenco na época?
IV: Jorginho Fernando era maravilhoso, sempre deixava o set com o astral lá em cima, muito comprometido com o trabalho, com uma visão muito clara do que ele queria. Foi muito bom trabalhar com ele em "Ti Ti Ti". E meus colegas de elenco também eram ótimos, era um núcleo muito bom. Os bastidores da novela tinham um clima muito gostoso, estava todo mundo muito feliz de estar naquele projeto.

- Como foi a recepção do público à personagem na época?
IV: Foi muito boa. A Marcela é uma mocinha que também erra, né? Isso traz uma humanidade ainda maior para a personagem e acredito que faz com que o público se identifique mais com ela. Ela tem uma história muito sofrida, mas também traz uma leveza consigo, que eu acho que ajudou o público a se identificar e torcer por ela. Me senti muito acolhida.

- Você se envolveu com o universo da escrita e da moda para compor a personagem?
IV: Eu sempre gostei de escrever, então acho que isso me ajudou na hora de criar a personagem de alguma maneira. Mesmo que escrevêssemos sobre assuntos e coisas diferentes. Eu não fiz uma grande imersão no universo da moda antes, mas a novela me permitiu esse contato. Por exemplo, gravamos no Fashion Rio e assistimos a cinco desfiles naquele dia. Isso me proporcionou uma contato muito direto com esse universo, com as pessoas que fazem parte dele.

Leia também | Beatles: documentário do Disney+ com 6 horas de duração apresenta intimidades da banda

- Como é a sua relação com a moda?
IV: Ao longo dos anos, fui me interessando cada vez mais por moda. Isso fez com que meu olhar mudasse também, se ampliasse para isso. Estou me permitindo cada vez mais brincar, experimentar coisas novas. Eu busco usar a moda a meu favor, não sou de ficar muito refém das tendências, por exemplo. Eu acompanho, gosto de estar por dentro, mas sei que nem tudo vai funcionar para mim. Acho que a graça da moda é conseguir me expressar e mostrar minha personalidade por meio dela.

Comunicação Globo

Leia também