PUBLICIDADE
Tecnologia
NOTÍCIA

Motorola anuncia novos aparelhos da família Moto G

G Power e G8 Power contam com baterias generosas. G Stylus tem caneta para fazer anotações na tela. Ainda não há data de lançamento no Brasil. Vazamentos indicam dois lançamentos na linha One

Bemfica de Oliva
23:28 | 13/02/2020
Moto G8 Power tem quatro câmeras na traseira e bateria que promete durar dois dias longe da tomada
Moto G8 Power tem quatro câmeras na traseira e bateria que promete durar dois dias longe da tomada (Foto: Reprodução/Motorola)

A Motorola, empresa pertencente à Lenovo, tem no Brasil um dos seus principais mercados. Os aparelhos da série Moto têm sido sucesso de vendas desde seu lançamento em 2013, e recentemente a linha One teve boa recepção do público no País. Não à toa o Brasil é sempre um dos primeiros locais a receber as novidades da fabricante, que anunciou na última sexta-feira, 7, três novos modelos da família Moto G. G Power e G8 Power são quase iguais, enquanto G Stylus traz um acessório até então inexistente em aparelhos da marca.

Como o nome indica, G Power e G8 Power são aparelhos praticamente idênticos: tela Full HD+ de 6,4", 64 GB de armazenamento interno, 4 GB de RAM, processador Snapdragon 665, bateria de 5.000 mAh e entrada para fones de ouvido padrão. A única diferença, inclusive visual, fica nas câmeras: enquanto o G Power conta com um conjunto triplo de 16 MP no sensor principal, 2 MP no módulo macro e uma lente ultrawide de 8 MP, o G8 Power tem também uma câmera de 8 MP com zoom óptico de 2x. No G Power, o espaço ocupado por esse sensor adicional abriga o flash.

A versão G Power foi lançada nos Estados Unidos, enquanto alguns países da Europa receberam o G8 Power, que foi homologado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e já pode ser vendido no Brasil. A Motorola ainda não anunciou o aparelho no País.

O terceiro aparelho anunciado, G Stylus, possui alguns detalhes em comum com os outros dois modelos: memória RAM, processador e entrada para fones de ouvido de 3,5 mm, além da câmera de selfies de 16 MP, que fica em um orifício na tela. Os três também vêm de fábrica com Android 10, versão mais recente do sistema.

As diferenças do G Stylus ficam por conta da bateria menor, de 4.000 mAh, do armazenamento maior, de 128 GB, e do conjunto de câmeras: principal de 48 MP com tecnologia quad-pixel, sensor macro de 2 MP e uma "câmera de ação" de 16 MP, que grava vídeos na horizontal enquanto o usuário segura o aparelho na vertical - mas não é capaz de capturar fotos.

O principal argumento de vendas deve ser a caneta stylus que dá nome ao modelo: ela serve para fazer anotações e desenhos (inclusive com a tela bloqueada) no aplicativo Moto Note, além de editar fotos. A caneta é do tipo capacitava, menos sofisticada que a encontrada na linha Galaxy Note, da Samsung. Isso significa que ela possui precisão menor e não tem sensibilidade a níveis de pressão como no aparelho da fabricante coreana. Não há previsão de lançamento do modelo no Brasil.

Outros aparelhos

Celular vazado em fotos tem tela curvada com orifício para a câmera frontal; modelo será o primeiro topo de linha da Motorola desde 2008
Celular vazado em fotos tem tela curvada com orifício para a câmera frontal; modelo será o primeiro topo de linha da Motorola desde 2008 (Foto: Reprodução/XDA-Developers)

Além da família Moto G, a Motorola deve lançar em breve dois aparelhos: um topo de linha, segmento em que a empresa não atua desde 2018, e um intermediário premium. Alguns rumores dão conta que os modelos podem integrar a linha One, mas a informação não é confirmada.

Ambos os aparelhos devem ter tela de 6,67" com bordas curvas, câmera frontal em orifício na parte superior, resolução Full HD+ e taxa de atualização de 90 Hz. Eles terão ainda suporte a redes 5G, ainda não disponíveis no Brasil, e serão lançados com o Android 10.

Outras especificações incluem bateria de 4.660 mAh, processador Snapdragon 765 ou 765G, câmera principal de 48 MP, 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento para o modelo intermediário, cujo código interno na empresa é "racer". O topo de linha, por sua vez, deve ter processador Snapdragon 865, versões com 8 e 12 GB de RAM e bateria de 5.170 mAh - ainda não há informações sobre câmeras ou capacidade de armazenamento. O nome especulado para este modelo é Edge+, e seu codinome é "burton".

A Motorola deve incluir alguns aplicativos próprios para aprimorar a experiência de usuário nos aparelhos. A empresa é conhecida por fazer alterações mínimas no Android, sem modificar partes visuais, adicionando apenas algumas ferramentas de produtividade.

O Edge Assistant deve permitir a configuração de ações customizadas para toques nas partes curvas da tela, como abrir atalhos ou mostrar os aplicativos recentes. O Moto Gametime, lançado nos novos aparelhos da família Moto G, permite ajustar notificações, abrir ações rápidas e configurar a performance do aparelho durante o uso de jogos. O Moto Audio, por fim, usa inteligência artificial para adaptar a regulagem de som automaticamente a cenários variados de uso, como escutar música de estilos diferentes, ver filmes ou fazer ligações.

A expectativa era de que os aparelhos fossem anunciados na Mobile World Congress, evento de tecnologia que acontece anualmente em Barcelona, na Espanha. A feira, porém, foi cancelada devido ao risco de contaminação pelo coronavírus. Não há, portanto, informações sobre data de lançamento ou preços.