Participamos do

Covid-19: Especialistas reforçam cuidados com a saúde mental

Busca pelo apoio dos familiares e amigos, ter pensamentos positivos, melhorar sono e alimentação estão entre as dicas dos especialistas
20:21 | Fev. 10, 2021
Autor Mirla Nobre
Foto do autor
Mirla Nobre Repórter-trainee
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Próximo de completar um ano da pandemia da Covid-19 no Brasil, a população vem passando por confinamentos que levaram ao distanciamento físico, mental e social. Além disso, preocupações financeiras, incertezas, medo do contágio pela doença, preocupação com familiares e amigos também estão presentes nesse período. Este conjunto de sentimentos leva a debater e reforçar os cuidados com a saúde mental.

De acordo com o psiquiatra e diretor clínico do HSM, Helder Gomes, com a pandemia, houve a necessidade de ficar mais distante de tudo, amigos e familiares. Tudo ficou remoto, desde o trabalho até os estudos. “Tudo isso alterou a rotina das pessoas, ficando o dia a dia mais monótono, o que acabou provocando sintomas como ansiedade, estresse, irritação e insônia. Alguns fatores vêm agravando a saúde mental até mesmo de quem nunca apresentou nenhum tipo de transtorno mental. É importante identificar e procurar ajuda quando algum sintoma começar a surgir, como uma tristeza intensa, um desânimo maior, irritação constante e ansiedade”, informa.

Ainda segundo o especialista, existem grupos que estão mais sujeitos a terem crises nesse período, principalmente os que já tinham diagnóstico de depressão, ansiedade, transtorno bipolar e transtornos alimentares. “Essas pessoas estão tendo maior possibilidade de instabilizar durante a pandemia devido à situação estressora na qual estamos vivendo”, afirma.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Leia Também | Metade dos brasileiros sofre de ansiedade no ambiente de trabalho

Para o psiquiatra, algumas atitudes são fundamentais para melhorar essa situação. Entre elas estão a busca pelo apoio dos familiares e amigos e ter pensamentos positivos. Helder Gomes ressalta também sobre o processo de vacinação contra a Covid-19, que iniciou no Ceará desde o último dia 18 de janeiro. “Apesar das dificuldades, estamos iniciando o processo de vacinação, que é a possibilidade de melhorar essa situação”, ressalta.

A dona de casa Jordana Oliveira, de 32 anos, relembra os primeiros meses de confinamento e a dificuldade para se adaptar à nova rotina. “Tivemos que entender o que seria essa nova rotina de restrições. A maior dificuldade foi tentar acompanhar o formato remoto da escola da minha filha. Lembro muito do sentimento de medo pela doença e a incerteza do que a gente ia enfrentar”, relembra.

Leia Também | "Não poder abraçar é a pior parte", afirma ativista Silvinha Cavalleire sobre prática do isolamento

Orientações

Em relação às pessoas que estão trabalhando em casa, o psiquiatra Carlos Celso Serra Azul, diretor técnico do HSM, orienta que elas devem ficar atentas e não misturarem o horário do trabalho com o horário da vida pessoal. “Isso, de forma cumulativa, pode levar a alguma síndrome de esgotamento físico e mental, como a Síndrome de Burnout. É importante perceber essa linha tênue bem determinada, mantendo o limite entre o tempo do trabalho e o de descanso”, explica.

Já em relação ao sono, o especialista pontua que, com a pandemia, muitas pessoas passaram a dormir mais tarde, alterando a qualidade do sono. “O sono, em si, quando privado ou diminuído, precipita transtornos mentais, pois ele é necessário para uma vida saudável. O bom sono parte também da rotina diária. Por isso, é importante manter a qualidade e a quantidade do sono mesmo quando se tem uma rotina com menos atividades”.

Outro ponto destacado pelo psiquiatra é em relação a alimentação saudável, que também deve ser prioridade nesse período. “Uma alimentação inadequada pode causar impactos negativos na saúde mental e é importante não fazer da alimentação um refúgio para a ansiedade”, informa o diretor do HSM.

Para finalizar as orientações, o psiquiatra indica a prática de atividades físicas no dia a dia. “É importante manter suas rotinas de atividades físicas, nem que sejam adaptadas em casa ou fora de casa, obedecendo todas as regras sanitárias e recomendações governamentais para se proteger do coronavírus. E se você não tinha ou não tem uma rotina de atividades físicas, tente manter essa prática na sua vida, pois é essencial na melhoria da saúde mental”, pontua.

Dicas para fortalecer a saúde mental

- Busque apoio de familiares e amigos

- Mantenha pensamentos positivos. Se você trabalha em casa, remotamente, tente equilibrar o horário dedicado ao trabalho com horas de lazer. Estabeleça limites entre as tarefas

- Alimentação saudável é qualidade de vida e pode ajudar a melhorar as funções cerebrais, os níveis de energia, a memória, ameniza a depressão e diminui a ansiedade

- Durma em horários determinados. Evite dormir muito tarde. A qualidade do sono é fundamental para manter a mente e o corpo em equilíbrio

- Pratique atividade física. Exercícios auxiliam na redução dos níveis de estresse, liberando hormônios que trazem sensação de bem-estar físico e mental

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags