PUBLICIDADE
Saúde
NOTÍCIA

Fiocruz detecta caso de H1N2 no Paraná; não há evidências de transmissão entre pessoas

A situação foi reportada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira, 9, com base em pesquisas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

09:31 | 12/07/2020
A amostragem foi enviada à Fiocruz, que identificou o vírus H1N2 (Foto: Bernardo Portella/Fiocruz/Divulgação)
A amostragem foi enviada à Fiocruz, que identificou o vírus H1N2 (Foto: Bernardo Portella/Fiocruz/Divulgação)

Uma mulher de 22 anos que trabalha em um abatedouro de Ibiporã, no Paraná, manifestou sintomas de uma doença semelhante à gripe em abril deste ano. Ela foi tratada e se recuperou, mas uma amostra do vírus foi encaminhada para estudos na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Em junho, a instituição identificou o vírus H1N2.

Leia também | Consumo de carnes é responsável por surgimento de pandemias, aponta pesquisa

No mesmo local de infecção, as autoridades constataram outra pessoa que teve problemas respiratórios no mesmo período da jovem. Porém, nenhuma amostragem foi coletada enquanto ele estava com sintomas. Outras ocorrências suspeitas não foram registradas. As informações são do portal UOL. 

Apenas 26 casos da doença foram reportadas à Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 2005. Destes, dois aconteceram no Brasil. De acordo com a entidade, a maioria das pessoas apresentaram sintomas leves. Ainda não há evidências de transmissão entre pessoas.

Leia também | Fiocruz retoma projeto com mosquitos que combatem a dengue

“Devido à natureza em constante evolução dos vírus da gripe, a OMS continua enfatizando a importância da vigilância global para detectar alterações virológicas, epidemiológicas e clínicas associadas aos vírus da gripe circulantes que podem afetar a saúde humana (ou animal)”, afirma a organização. Esses registros são necessários para avaliar potenciais pandemias causadas pela influenza.

A instituição mundial recomenda uma série de procedimentos de higiene para diminuir os riscos de contágio. Lavar as mãos antes e depois de tocar nos animais, além de evitar contato com bichos doentes, são as principais sugestões.