PUBLICIDADE
Saúde
NOTÍCIA

Ceará passará a realizar teste para confirmação de coronavírus a partir da próxima semana

A partir da próxima terça-feira, 17, o Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (Lacen) fará a testagem

Matheus Facundo
23:43 | 12/03/2020
Coletiva sobre situação do coronavírus no estado do Ceará. Na foto: Joana Maciel, secretária municipal de Saúde, Dr. Cabeto, secretário estadual da Saúde e Madga Almeida, secretária-executiva de Vigilância e Regulação
Coletiva sobre situação do coronavírus no estado do Ceará. Na foto: Joana Maciel, secretária municipal de Saúde, Dr. Cabeto, secretário estadual da Saúde e Madga Almeida, secretária-executiva de Vigilância e Regulação (Foto: FCO FONTENELE)

Atualmente feito em laboratórios de São Paulo, Pará e Goiás, o exame final para a confirmação do diagnóstico de coronavírus passará a ser realizado no Ceará a partir da próxima semana. A informação foi divulgado pelo secretário estadual da Saúde do Estado, Dr. Cabeto, durante coletiva nesta quinta-feira, 12.

A partir da próxima terça-feira, 17, o Laboratório Central de Saúde Pública do Ceará (Lacen) fará a testagem, o que pode tornar os resultados mais rápidos. Até lá, o esquema de detecção do vírus segue com as unidades de saúde do Estado coletando amostras e enviando para os outros equipamentos do País.

Para incrementar a logística do diagnóstico, Dr. Cabeto afirma que foram pedidos ao Ministério da Saúde mais 1.500 kits de coleta para teste. "O Estado está preparado para dirigir sua atenção para aqueles casos mais complexos e que precisem de mais atenção. Precisamos ter um número de kits mais robusto para efetivar mais testes. Já pedimos 240 kits e hoje pedimos mais", pontua.

Contingência

Durante a coletiva, que divulgou ações do plano de contingência do coronavírus no Ceará, além do secretário Dr. Cabeto, estiveram presentes a secretária Executiva de Vigilância e Regulação, Magda Almeida, e a titular da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Joana Maciel, que falou sobre a atuação do Município no combate ao vírus. Conforme ela, Unidades de Pronto Atendimento (UPA) estão capacitadas caso precisem entrar no plano.

Hoje, o Hospital São José (HSJ) é a unidade de referência para pacientes com sintomas de coronavírus e que estejam em grupo de risco (idosos, pessoas com doenças que afetem a imunidade e que tenham viajado para locais contaminados). "Caso o HSJ tenha uma demanda muito acima do normal, nós já preparamos nossas equipes de seis UPAs para coletar amostrar para exames", afirma a secretária Joana Maciel. Estarão aptas as UPAs dos bairros Vila Velha, Bom Jardim, Itaperi, Edson Queiroz, Cristo Redentor e Jangurussu.

Durante coletiva, foi anunciada a implantação de 230 novos leitos em hospitais particulares da Capital como medida de contingência do coronavírus. São 200 de enfermaria e 30 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Para o Interior, 100 novos leitos de enfermaria e 50 de UTI foram solicitados e serão destinados ao Hospital Regional Norte, ao Hospital Regional do Sertão Central, em Quixeramobim e ao Hospital Regional do Cariri, em Juazeiro do Norte. Para auxiliar nesta expansão da rede hospitalar, o governador Camilo Santana (PT) liberou orçamento de R$45 milhões. 

Vigilância

Com 20 casos suspeitos, o Ceará está em fase vigilância, ou seja, a de identificar e testar pessoas com suspeitas. Sem casos confirmados, cenário diferente do resto do País, que já passa de 100 confirmações, ainda não se chegou na fase de restringir o acesso a eventos públicos, conforme o secretário Dr. Cabeto.

"Segundo a Sociedade Brasileira de Infectologia, não temos autorização epidemiológica para cancelar eventos com aglomerações como jogos de futebol, reuniões religiosas e eventos públicos. Para isto, nós precisaríamos estar na fase da transmissão local, ou seja, ter casos confirmados", aponta.

No entanto, a orientação é que pessoas sintomáticas e parte do grupo de risco evitem reuniões com mais de 100 pessoas. Outras ações de prevenção também como evitar viajar se estiver com quadro viral, não visitar pessoas em hospitais e em presídios caso esteja doente: "Estado e Prefeitura estão se organizando para que seja feita uma triagem mais direta na situação dos presídios".

Além de espaços públicos, Dr. Cabeto ponderou que o cancelamento de aulas de escolas da rede pública estadual ainda não estão sendo cogitadas, mas assumiu que, caso o cenário se agrave futuramente, cancelamentos e restrições em espaços com aglomerações serão pensados.