Elmano diz que mausoléu de Castelo Branco não ficará no Palácio da Abolição

O anúncio do governador foi recebido com aclamação e aplausos de pé dos presentes

O governador do Ceará, Elmano de Freitas (PT), anunciou nesta quinta-feira, 31, que o mausoléu Castelo Branco, em homenagem ao primeiro presidente da ditadura militar, não ficará mais no complexo arquitetônico do Palácio da Abolição, sede do Governo Estadual

"Eu estava conversando com a nossa secretaria de Cultura (Luisa Cela). Aqui nós temos o Palácio da Abolição, aqui está o mausoléu do Castelo Branco e eu já disse, a decisão está tomada, ela tem a missão com a Socorro França e o Tiago Santana. O Palácio da Abolição não ficará ao mausoléu de quem apoiou a ditadura”, disse, aplaudido de pé.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O anúncio aconteceu no evento Agosto da Memória e Verdade: 44 Anos da Anistia, no próprio Palácio da Abolição. Elmano ainda declarou que existe um projeto a ser executado de levar para a sede do Governo do Estado o Dragão do Mar, símbolos abolicionista cearense.

"Existe um projeto a ser executado, eu já estou cobrando há algum tempo, a minha vontade e o meu desejo é que dia 11 de dezembro, no Dia Internacional dos Direitos Humanos se é pra trazer alguém, tragamos pra cá Dragão do Mar, e os abolicionistas e os lutadores pela democracia, disse.

"Honrando a história daqueles que lutaram e dedicaram suas vidas pela democracia, pelo bem viver do nosso povo", completou.

Mausoléu do Castelo Branco

O mausoléu em memória do ex-presidente Humberto de Alencar Castelo Branco, o primeiro dos cinco da Ditadura Militar, nascido em Fortaleza foi inaugurado em 1972, pelo então governador do Ceará, César Cals, 5 anos após a morte do marechal.

O monumento passou por uma restauração em 2006 e em 2022 foi apresentado um requerimento proposto pelo deputado Renato Roseno (PSOL) que tivesse o mausoléu tivesse outro uso, baseado na lei que proíbe a atribuição a prédios, rodovias, repartições e demais bens públicos de “nomes de pessoas que constem no relatório final da Comissão Nacional da Verdade com responsáveis por violações”.

A requisição foi rejeitada na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará (Alece). Os restos mortais de Castelo Branco não estão mais no mausoléu há meses.

 

Com informações de Luíza Vieira

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

mausoleu castelo branco elmano governo do ceara

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar