Participamos do

Girão critica riso de Camilo após Moro reivindicar mérito por queda de homicídios do Ceará

Segundo o senador, o governador "não comenta por vergonha dos 2.7000 homicídios em sua gestão" e porque "acha que não deve satisfação aos cearenses"
14:25 | Fev. 12, 2022
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O senador Eduardo Girão (Podemos) usou as redes sociais, nesta sexta-feira, 11, para criticar o posicionamento do governador Camilo Santana (PT) após o ex-ministro Sergio Moro reivindicar o mérito pela queda de homicídios registrada no Ceará durante sua gestão como ministro da Justiça, em 2019. Durante evento com ex-governadores no Porto do Pecém, em São Gonçalo do Amarante, o petista apenas riu quando questionado sobre o assunto

Segundo o parlamentar, Camilo "não comenta por vergonha dos 2.7000 homicídios em sua gestão" e porque "acha que não deve satisfação aos cearenses". O senador destacou ainda que Camilo "tem medo das facções criminosas". "Crê que 1,2 bilhão gasto em propaganda o blindam de críticas. "Contra fatos não há argumentos", finalizou. 

Durante seu posicionamento, Camilo minimizou a atuação do ex-juiz na área da segurança pública no Ceará. “Não vou nem comentar”, disse o governador. Questionado por sua falta de manifestação sobre o assunto, ele completou: “Porque a gente sabe que isso não existe”.

Em tour pelo Nordeste, Moro esteve no Ceará nesta semana, após articulações de Girão, seu aliado de campanha ao Planalto e adversário da gestão Camilo. Em eventos com aliados e empresários, ele relacionou a redução de homicídios no Estado com sua atuação como ministro da Justiça do governo federal.

O ex-juiz esteve à frente da pasta entre 1º de janeiro de 2019 a 24 de abril de 2020, momento em que o Ceará teve a maior queda de homicídios da década. O pré-candidato à Presidência defende que os dados devem-se às suas ações implantadas na época.

No início de 2020, ele chegou a vir ao Ceará para tentar gerir a crise da segurança pública iniciada pelo motim de policiais militares. Na época, o Ministério da Justiça enviou tropas da Força Nacional para proteger a população, mobilizando uma ação fundamentada na Garantia da Lei e da Ordem (GLO), em dezembro de 2021, durante entrevista para a rádio O POVO CBN, Moro chegou a afirmar que o governador petista fez críticas muito severas aos PMs, chegando ao ponto de romper com todas as pontes que existiam entre o governo do estado e a categoria e de faltar com o diálogo com os policiais militares durante o motim da categoria em 2020. 

Camilo rebateu a acusação e lembrou que Moro apenas propôs anistia aos envolvidos do motim, à época. “Soube que o ex-ministro de Bolsonaro, Sérgio Moro, criticou em entrevista hoje que não tive diálogo com os encapuzados do motim criminoso no Ceará, em 2020. Logo ele, que veio à época aqui e a única ação foi propor anistia para os crimes cometidos. Não aceitei”, escreveu o governador estadual.

Atualização às 18h03

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags