Participamos do

"Sabemos qual o motivo do veto", diz petista autora da lei sobre absorventes

A deputada Marília Arraes (PT-P), autora do projeto de lei que prevê a distribuição gratuita de absorventes higiênicos, afirmou que Bolsonaro "criou disputa política" em cima do tema
14:04 | Out. 08, 2021
Autor Alice Araújo
Foto do autor
Alice Araújo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A deputada federal Marília Arraes (PT-PE) se manifestou em suas redes sociais nesta sexta-feira, 8, a respeito do veto de Jair Bolsonaro (sem partido) ao projeto de lei de sua autoria que previa a distribuição gratuita de absorventes femininos para estudantes de baixa renda e mulheres em situação de rua. Para a parlamentar, a motivação da decisão do presidente seria puramente política, uma vez que ela é filiada ao PT.

“Gostaria de enfatizar que Bolsonaro politizou uma questão de saúde pública! E sabemos o motivo do veto. Vocês sabem qual é o meu partido”, escreveu em postagem no Twitter. A deputada reforçou que “quem faz politicagem em cima disso” se iguala ao presidente e despreza “temas que devem ser alvo de uma política de Estado e não de governo, de partido ou de pessoas”.

Bolsonaro havia alegado que a decisão por vetar o PL seria porque a proposta não especificava a fonte orçamentária para custear as despesas com a distribuição e logística. O projeto de lei que institui o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual, no entanto, previa a utilização de verbas destinadas ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Marília lembrou que a tramitação do projeto 4.869/2019 já dura três anos, e que o veto do presidente não iria “interromper” esse processo de luta. “Mesmo o dia hoje ter sido difícil, me sinto muito feliz de ser a primeira parlamentar a apresentar um Projeto que combate diretamente a Pobreza Menstrual. O PL 4869 é de 2019. São quase 3 anos de luta. Não é hoje que alguém irá nos interromper. É só o começo!”

De acordo com a parlamentar, o PL não é o único tema que o presidente encarou como uma disputa política: “Covid, vacina e agora distribuição de absorventes”, argumentou. “O que fazemos é o contrário: buscamos unir parlamentares de todas as cores partidárias e a população do país em torno da necessidade dessa política pública tão essencial”, continuou a série de publicações.

Em conclusão, a deputada se comprometeu fortalecer uniões para que o veto seja derrubado em prol da dignidade menstrual de mulheres brasileiras. “Agradeço aos mais de 30 deputados e deputadas que abraçaram a causa e apresentaram projetos correlatos ao meu. Vamos continuar construindo essa unidade para a derrubada do veto e pela dignidade menstrual de todas as mulheres, isso é o que importa”, escreveu.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags