Participamos do

Polícia abre inquérito contra Sérgio Reis por áudio incitando paralisação

Cantor e ex-deputado será investigado por três crimes, incluindo ameaça, após convocar caminhoneiros para ato contra o STF; polícia considera a possibilidade de "associação voltada para o cometimento de crimes"
05:00 | Ago. 18, 2021
Autor Maria Eduarda Pessoa
Foto do autor
Maria Eduarda Pessoa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Polícia Civil do Distrito Federal abriu inquérito para apurar a conduta do ex-deputado e cantor Sérgio Reis envolvendo a convocação de um ato em protesto contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e a favor de outras pautas defendidas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em nota divulgada nesta terça-feira, 17, a corporação informou que a investigação apura a existência de uma "associação [de pessoas] voltada para o cometimento de crimes no território do Distrito Federal em manifestações previstas para o mês de setembro".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O cantor será investigado por três crimes previstos no Código Penal: 147 (ameaça), 163 (destruição de coisa alheia) e 262 (expor a perigo, impedir ou dificultar o funcionamento de transporte público).

Em um áudio vazado no último final de semana, Reis convoca caminhoneiros e agricultores para manifestação em Brasília no mês de setembro. No registro, o cantor fala ainda de uma reunião com “40 plantadores de soja” que supostamente financiaram viagens à capital federal.

"A investigação teve início após a circulação de vídeos e áudios nas redes sociais e em matérias jornalísticas em que alguns indivíduos, dentre eles o cantor Sérgio Reis, manifestam-se no sentido de cometerem crimes", afirmou a Polícia Civil. A apuração policial está a cargo do Decor (Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado). Não há data prevista para o depoimento dos envolvidos.

O protesto convocado pelo cantor é favorável à destituição de ministros do STF e ao voto impresso. No áudio, o ex-deputado fala em "intimar" o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-RO), sobre as duas pautas, sob ameaças de paralisação dos caminhoneiros. Na gravação, Reis diz que será entregue um documento ao Senado. "Vocês têm 72 horas para aprovar o voto impresso e tirar todos os ministros do STF. Não é um pedido, é uma ordem" seria o conteúdo do texto, segundo ele.

Sérgio Reis é alvo de representação criminal

Também nesta terça-feira, 17, um grupo de 29 subprocuradores-gerais da República apresentou uma representação contra Reis junto à Procuradoria da República no Distrito Federal.

Eles defendem que a ameaça pode configurar crime de incitação à subversão da ordem política ou social, além de incitação ao crime. "Diante dos graves acontecimentos que têm marcado a história recente do país, em particular as frequentes ameaças de ruptura institucional e de desrespeito à independência dos poderes e de seus integrantes, solicitamos a Vossa Excelência a distribuição desta representação a um dos membros oficiantes na área criminal, com vistas à adoção das providências que forem entendidas cabíveis", afirmam os subprocuradores.

Após o episódio, que teve grande repercussão nacional, o cantor fez uma live em suas redes sociais dizendo que foi mal compreendido. "Não pedi que acabassem com nada. Eu pedi que esses impeachments fossem estudados", afirmou.

Mais notícias de Política

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags