Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Bolsonaro no Ceará e depois é a vez de Lula: quem vence a luta pelo Nordeste?

Ex e atual presidente visitam Ceará com uma semana de diferença
23:18 | Ago. 12, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente Jair Bolsonaro chega ao Ceará nesta sexta-feira, 13 de agosto, e dias depois será a vez do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Nas eleições de 2014 e 2018, os eleitores da região foram a grande força do PT, decisivos para a vitória apertada em 2014 e para garantir ao menos que houvesse segundo turno em 2018. Lula trabalha para manter essa força. Bolsonaro tenta avançar nesse eleitorado. Pelo menos para redução de danos. Entre as armas, o auxílio emergencial, o anúncio da versão repaginada do Bolsa Família e indicação de um nordestino, Ciro Nogueira (PP-PI) para ministro-chefe da Casa Civil.

Ouça o podcast Jogo Político:

Nas forças de oposição, a maior parte da geração de governadores que irrita Bolsonaro chega ao fim dos mandatos: Flávio Dino (PSB-MA), Paulo Câmara (PSB-PE), Renan Filho (MDB-AL), Rui Costa (PT-BA), Wellington Dias (PT-PI) e Camilo Santana (PT-CE) não poderão concorrer à reeleição. Conseguirão emplacar sucessores? Conseguirá Bolsonaro governadores mais simpáticos a ele?

Estes são assuntos do Jogo Político #146, que tem a participação dos jornalistas Guálter George, editor-chefe de Opinião e colunista de Política; Carlos Mazza, repórter de Política e colunista; e Érico Firmo, editor de Cotidiano e colunista de Política.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Samsung lança celulares dobráveis Z Flip 3 e Z Fold 3

Smartphones
06:14 | Ago. 12, 2021
Autor Bemfica de Oliva
Foto do autor
Bemfica de Oliva Autor
Ver perfil do autor
Tipo

A Samsung anunciou nessa quarta-feira, 11, seus dois novos celulares dobráveis. Parte da linha Galaxy de smartphones, o Z Flip 3 tem tela regular e fica compacto ao ser fechado, enquanto o Z Fold 3 "se transforma" em tablet quando aberto.

Os modelos já haviam vazado diversas vezes nas últimas semanas, com quase todos os detalhes já sendo conhecidos. Os fones de ouvido Buds 2 e relógios inteligentes Watch 4 e Watch 4 Classic também foram anunciados no evento, chamado Galaxy Unpacked, e também já haviam sido revelados em vazamentos.

Galaxy Z Flip 3, da Samsung, lembra celulares dos anos 2000

O menor dos dois é o Z Flip 3. Sucessor do Z Flip 5G, anunciado no final de 2020, ele tem tela de 6,7", que se dobra na vertical. O painel tem resolução Full HD+, taxa de atualização de 120 Hz e, como quase todos os modelos da Samsung, tecnologia Amoled, com melhor contraste e reprodução de cores.

Fechado, o aparelho lembra os celulares flip dos anos 2000. Na parte exterior, há uma tela secundária de 1,9", que exibe notificações e pode ser usada para tirar selfies com as câmeras principais.

Há três sensores no Galaxy Z Flip 3. Na tela principal, uma câmera de 10 megapixels dá conta de selfies e chamadas de vídeo. Do lado de fora são duas lentes de 12 MP, uma normal e uma grande-angular.

O corpo, com moldura de alumínio e tampa de vidro, está disponível em sete cores: creme, verde, lavanda, preto, cinza, branco e rosa. Além de tornar o aparelho mais compacto, a estrutura dobrável permite usar a tela do smartphone em diferentes ângulos. É possível, por exemplo, assistir a um vídeo na metade superior, com os controles sendo exibidos na outra parte do display.

Por dentro, o Z Flip 3 tem 128 ou 256 GB de armazenamento, 8 GB de RAM e processador Snapdragon 888. A bateria é de 3.300 mAh, igual à do antecessor, com carregamento de 15 W e suporte a recarga sem fio.

Samsung Galaxy Z Fold 3 se desdobra para virar tablet

O outro modelo apresentado, Z Fold 3, usa uma abordagem diferente. A tela interior tem 7,6" (1768x2208 pixels) e, na parte frontal, há um display de 6,2" (832x2268 pixels), permitindo que o aparelho seja usado como celular ou tablet. Ambos os paineis têm tecnologia Amoled e taxa de atualização de 120 Hz.

Na parte interna há uma câmera de 4 MP oculta sob a tela maior, sendo o primeiro modelo da Samsung a trazer a tecnologia, que estreou com a chinesa ZTE ano passado. A frente tem uma câmera de selfie própria, de 10 MP, mas que fica em um orifício na parte superior do display.

A traseira tem três outras lentes, todas de 12 MP: uma regular, uma com zoom de 2x e uma grande-angular. Devido à tela secundária do lado de fora do aparelho, também é possível tirar selfies com estas lentes.

Outra novidade é o suporte à caneta S Pen, tradicional da linha Galaxy Note. O Z Fold 3 não tem, porém, um espaço para guardar o acessório, dependendo de capas específicas para isso. Tanto a caneta quanto as capas são vendidas separadamente, assim como o carregador, que não é incluído na caixa.

A bateria tem 4.400 mAh e carregamento rápido de 25 W, além de suportar recarga sem fio. Por dentro, há 256 ou 512 GB de armazenamento e 12 GB de RAM, além do processador Snapdragon 888.

O corpo, assim como o do irmão menor, é de vidro com moldura de alumínio. As cores disponíveis são preto, prata e verde.

Em comum, os dois modelos trazem resistência a água, com certificação IPX8, e suporte a redes 5G. Eles podem receber um chip físico e um do tipo eSIM.

Z Fold 3 e Z Flip 3: preço e disponibilidade

O preço de lançamento é de US$ 999 (cerca de R$ 5.200) para o Z Flip 3 na versão de 128 GB, com a de 256 GB saindo por 50 dólares a mais. O Z Fold 3 de 256 GB custa US$ 1.799 (aproximadamente R$ 9.400), com mais 100 dólares para ter 512 GB de armazenamento.

Embora os aparelhos já estejam homologados para venda no Brasil, não há previsão de lançamento no País ou preço. Em 2020, o Z Fold 2, antecessor do modelo maior anunciado hoje, chegou ao Brasil por R$ 13.999.

Mais sobre Samsung

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Guilherme Sampaio: Educação e Cultura para seguir mudando o Ceará

00:00 | Ago. 12, 2021
Autor
Tipo Opinião

A experiência traumática da pandemia nos impele a retornarmos às razões fundamentais pelas quais trilhamos nosso caminho na existência.

Revisar os modos por meio dos quais cooperamos em sistemas econômicos e sociais para sustentar a vida se impôs como exigência ética imprescindível.

Individual e coletivamente, devemos nos colocar novamente diante de questões fundamentais: como, por que e para onde, a partir de agora.

Feita a reflexão, revisito minha vocação política, preparando-me para exercer, pela primeira vez, o mandato de deputado estadual.

Tenho plena convicção da necessidade de evoluirmos qualitativamente em nossa cultura política, de superarmos as limitações do sistema de produção e distribuição da riqueza e sua relação destrutiva com a natureza, orientados pelo princípio fundamental de defesa da vida.

Nessa perspectiva, reafirmo minha luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade, e pelo amplo acesso à cultura, como eixos estruturantes de meu mandato na Assembleia Legislativa, além da defesa do SUS, da causa ambiental, dos direitos humanos, da diversidade e da valorização do serviço público. Foram estas as causas que me moveram em 17 anos de vida pública. E continuam movendo.

As circunstâncias em que essa oportunidade se concretiza, porém, exigem uma postura ainda mais forte na defesa da Democracia e da retomada de um projeto popular no País.

Ao lado de Lula, farei de meu mandato um instrumento de denúncia e luta cotidiana contra o genocídio bolsonarista, o desemprego aviltante e a volta da pobreza.

É assim que espero corresponder aos 22.330 votos e demonstrações de esperança que me levam agora ao Legislativo estadual. Sob a liderança do governador Camilo Santana, e com a mesma disposição e vontade de quando comecei, ajudarei seu Governo a continuar cuidando povo cearense.

Lembro que em minha primeira campanha, adotei o slogan "a educação faz um mundo". Hoje, afirmo com a mesma crença, enriquecida pela experiência e maturidade: a educação muda o mundo! E é disso que precisamos para seguir mudando o nosso Ceará. Este é o meu compromisso com todos os cearenses.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

"Sem voto eletrônico, não sei se seria eleito presidente", diz Lula

Eleições
22:27 | Ago. 11, 2021
Autor Lara Vieira
Foto do autor
Lara Vieira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em resposta às investidas de Jair Bolsonaro para retornar com o sistema de votação impressa, o ex-presidente Lula declarou que o atual chefe de Estado está tentando "trazer de volta o tempo dos dinossauros". A declaração foi dada durante entrevista nesta quarta-feira, 11, para a rádio Aparecida, em São Paulo. Durante a conversa, Lula também questionou o propósito de recentes medidas que considerou populistas do governo.

"O próprio presidente Bolsonaro e sua família sempre foram eleitos pelo voto eletrônico e nunca reclamaram. A única eleição que houve fraude foi a dele porque foi mentirosa com base em milhões de fake news", apontou Lula. Segundo ele, sua primeira vitória, em 2002, só foi possível graças ao sistema atual. "Sou favorável ao voto eletrônico porque se não fosse isso eu não sei se teria um dia sido presidente da República nesse país", completou.

De acordo com o ex-presidente, o Congresso Nacional acertou em tentar encerrar esse debate. No entanto, o conservadorismo do Parlamento é alarmante. "Nós temos possivelmente o Congresso mais conservador desde a Proclamação da República. Um Congresso que tem muitos militares, muito ex-sargento, ex-cabo, ex-coronel que defendem liberar arma pra todo mundo e não acredita na educação", afirmou. "Mas mesmo partidos que têm ministros não votaram totalmente favorável ao governo."

Durante a entrevista, Lula também falou sobre o novo benefício social que pretende substituir o Bolsa Família: o Auxílio Brasil. Segundo o petista, a alteração do nome não é um problema, mas sim o objetivo do governo federal com a implementação. "Bolsonaro tentar fazer um programa pensando apenas nas eleições, mas, de qualquer forma, quanto mais dinheiro no bolso do povo pobre melhor", ponderou.

Ainda, segundo o ex-presidente, uma candidatura nas eleições de 2022 ainda não foi definida pelo partido. "Eu não disse que sou candidato, disse que tenho disposição de disputar as eleições, se for o caso. Mas as pessoas têm que entender que, se formos candidatos, será para ganhar as eleições", explicou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Usuário desconhecido usa foto de presidente do TCE para aplicar golpes virtuais

Golpe virtual
16:43 | Ago. 11, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente do Tribunal de Contas do Ceará (TCE), Valdomiro Távora, teve sua imagem usada para aplicação de golpes virtuais em prefeituras. Segundo nota divulgada pela instituição nesta quarta-feira, 11, ligações estão sendo realizadas de um número de celular desconhecido, que usa a foto do conselheiro no perfil. O texto afirma que um boletim de ocorrência já foi registrado e as forças de segurança já estão tomando as devidas providências.

Nos últimos dias, uma série de crimes virtuais envolvendo agentes públicos e políticos foram registrados. Na última quarta-feira, 4, o governador Camilo Santana (PT) informou que teve o telefone celular invadido. Os criminosos roubaram dados da agenda de contatos e enviaram mensagens em seu nome, também na tentativa de aplicar golpes financeiros.

No mesmo dia, o ex-vice-governador do Ceará e presidente estadual do PSD, Domingos Filho, também relatou ter sido vítima de um ataque de hackers em seu celular pessoal. Conforme Domingos, os envolvidos no roubo de dados tiveram acesso à agenda de contatos para cometer o crime de estelionato em seu nome.

Da mesma forma, o secretário do Meio Ambiente do Ceará, Artur Bruno, usou as redes sociais na última sexta-feira, 6, para alertar que um usuário ainda não identificado está usando uma foto sua em suposto aplicativo de mensagem para aplicar golpes financeiros. No twitter, o titular da pasta afirmou: "Alguém está pedindo dinheiro em meu nome de um celular que tem a minha foto. Por favor, denunciem que é um golpe".

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

João Doria diz que errou fortemente ao apoiar Bolsonaro contra o PT em 2018

Declaração
11:20 | Ago. 11, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse ter errado ao apoiar o então candidato Jair Bolsonaro (sem partido) contra Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições presidenciais em 2018. O tucano justificou sua decisão citando a rivalidade com Haddad nas eleições de 2016, quando ambos disputaram a Prefeitura de São Paulo.

“Assumo aqui que errei. Errei fortemente ao apoiar Bolsonaro na eleição contra o PT, contra Fernando Haddad (...) Como milhões de outros brasileiros, acreditei que Bolsonaro pudesse ser a solução para a corrupção. Erramos no remédio. Elegemos um louco, um psicopata”, afirmou Doria em entrevista ao Poder360 nesta semana.

No último dia 23, em entrevista à rádio O POVO CBN, o tucano já havia expressado seu "profundo arrependimento" em relação ao segundo turno de 2018. "Profundamente arrependido, mas eu e milhões de brasileiros. Eu venci as eleições de 2016 contra o PT, não fazia sentido eu disputando eleições apoiar Haddad. Errei como milhões de brasileiros erraram, acreditei nas propostas de um governo liberal e anticorrupção", disse na ocasião.

Atualmente, Doria é crítico do governo Bolsonaro e foi voz ativa em temas relacionados à pandemia de Covid-19. Ele disputará as prévias do PSDB, em novembro deste ano, quando o partido escolherá o nome que representará a legenda nas eleições presidenciais de 2022.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags