PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Eleições 2020: o que é um cabo eleitoral?

Expressão é muito usada em época de eleições, mas nem todo eleitor sabe do que se trata; entenda quem pode ser cabo eleitoral, o que pode ou não fazer e se é remunerado

Bemfica de Oliva
23:40 | 05/11/2020
Cabos eleitorais ajudam na campanha e têm o papel de angariar mais votos para o candidato que apoiam nas eleições (Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE)
Cabos eleitorais ajudam na campanha e têm o papel de angariar mais votos para o candidato que apoiam nas eleições (Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE)

Uma expressão muito comum nas notícias em época de campanhas políticas é "cabo eleitoral". Muitas pessoas, no entanto, não sabem exatamente o que é e o que faz uma pessoa com essa denominação. O POVO selecionou algumas perguntas para ajudar a tirar as dúvidas sobre o assunto. Confira abaixo:

Leia também: o que faz e quanto custa à cidade um vereador?

O que é um cabo eleitoral?

De forma simples, cabo eleitoral é qualquer pessoa que se engaja na campanha de um político, buscando conseguir votos para o candidato. Podem ser ou não filiados a partido político, e ter ligações com o candidato somente no período de eleições, ou uma relação mais antiga.

Cabos eleitorais podem ser simplesmente pessoas que apoiam as ideias do candidato e decidem auxiliá-lo na campanha. É muito comum que existam também pessoas envolvidas politicamente, como líderes comunitários, que buscam apoiar alguma candidatura de sua região, para eleger por exemplo um vereador que tenha origem em seu bairro.

Há ainda cabos eleitorais que são também políticos. É o caso, por exemplo, de Alexandre Pereira (Cidadania), secretário do Turismo de Fortaleza, que desistiu de concorrer à Prefeitura para apoiar José Sarto (PDT). A vice-governadora Izolda Cela, também do PDT, recentemente entrou de forma oficial na campanha do correligionário.

Quem pode ser cabo eleitoral?

Na prática, qualquer pessoa que apoie as ideias de um candidato pode se tornar cabo eleitoral. Para realizar a função de forma "oficial", no entanto, a recomendação é ter contato com as pessoas que estejam trabalhando na campanha, para poder ter maior acesso a materiais de divulgação, saber a agenda do candidato, e desenvolver maior proximidade com a equipe envolvida na campanha.

Cabo eleitoral é pago?

Não é proibido, mas cabos eleitorais não necessariamente recebem dinheiro por sua atuação. Em linhas gerais, pessoas que atuam nas campanhas de forma esporádica ou por iniciativa própria, sem ter ligação com o candidato, o fazem de forma voluntária. Já cabos eleitorais que tenham alguma relação com a candidatura, ou que são filiados ao partido, podem receber ajudas de custo ou mesmo salários durante o período. Funções de maior relevância, como coordenação de campanha, costumam ser remuneradas.

O que um cabo eleitoral pode ou não fazer?

O papel específico de cada pessoa na campanha varia, mas a função geral é de angariar votos e apoio para o candidato. Isso pode ser feito com atuação porta a porta, distribuição de panfletos, ações de adesivagem de veículos, entre outros.

Cabe lembrar que desde essa quarta-feira, 4, está proibida no Ceará a realização de atos de campanha que gerem aglomeração "em espaços abertos, semiabertos ou no formato drive-in", segundo determinação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE). A proibição inclui "comícios, bandeiraços, passeatas, caminhadas, carreatas e similares, além de confraternizações ou eventos presenciais, inclusive os de arrecadação de recursos de campanha, ainda que no formato drive-thru".

Há ainda as coordenações de campanha, que geralmente são executadas por pessoas com ampla experiência em eleições e cargos dentro dos partidos políticos. Essas funções envolvem, por exemplo, estudar que locais da cidade devem ser visitados pelo candidato, com que setores da sociedade buscar maior aproximação, ou quais temas discutir na propaganda eleitoral gratuita.

Assim como os próprios candidatos, cabos eleitorais não podem oferecer vantagens indevidas a eleitores, como prometer dinheiro, presentes ou empregos em troca do apoio. A prática caracteriza compra de votos, que é crime.