Participamos do

Líder da Yakuza é preso nos EUA acusado de trocar mísseis por drogas

Chefe da máfia japonesa estaria negociando com grupos armados do Mianmar e do Sri Lanka, países que passam por conflitos; mísseis seriam trocados por heroína e metanfetamina
05:18 | Abr. 08, 2022
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou na quarta-feira, 7, a prisão de um líder da Yakuza. A ação foi realizada na última segunda-feira, 4, em Manhattan. O criminoso estaria negociando a troca de mísseis antiaéreos por carregamentos de drogas. Segundo o órgão, além do mafioso japonês, foram presos três outros homens, de origem tailandesa. Um deles também tinha cidadania estadunidense.

A ação aconteceu após um agente infiltrado da Drug Enforcement Agency (DEA, órgão federal que monitora o tráfico de drogas nos Estados Unidos) se passar por representante de grupos de guerrilha do Mianmar e do Sri Lanka.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Ambos os países passam por conflitos. O primeiro sofreu um golpe militar em fevereiro de 2021, e tem enfrentado uma guerra civil que já matou mais de 1.700 pessoas. O segundo, tomado por grave crise econômica, tem passado por uma onda de manifestações com violência crescente - no último dia 1º, a casa do presidente chegou a ser atacada.

O Departamento de Justiça disse que o objetivo do chefe da máfia, chamado Takeshi Ebisawa, era entregar os mísseis e receber carregamentos de heroína e metanfetamina, vindos dos países asiáticos. Segundo o órgão, a negociação envolveria cerca de 800 quilos de drogas, e uma quantia não revelada em dinheiro.

A investigação indica que os mísseis teriam sido retirado de bases estadunidenses no Afeganistão - ao retirar as tropas do país, em 2021, as Forças Armadas dos Estados Unidos deixaram para trás todo o arsenal que tinham. A prática é comum em ocupações estrangeiras, pelo custo de transportar os equipamentos de volta.

Mais notícias internacionais

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar