Participamos do

Esgoto de Fortaleza tem baixa concentração de coronavírus, aponta estudo

Capital cearense apresenta baixas taxas de concentração viral em comparação a outras grandes cidades brasileiras; levantamento foi realizado pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA)
00:42 | Nov. 25, 2021
Autor O Povo
Foto do autor
O Povo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Fortaleza está entre as capitais brasileiras com menor carga do novo coronavírus na rede de esgoto. É o que aponta novo Boletim de Acompanhamento divulgado pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) nesta quarta-feira, 24, a partir de dados colhidos até 13 de novembro. Além da capital cearense, o levantamento aponta baixos níveis de concentração viral nos sistemas de saneamento básico de Belo Horizonte, Curitiba e Recife. Na outra ponta, Brasília e Rio de Janeiro mantêm elevadas taxas.

Conforme os dados da Rede Monitoramento Covid Esgotos, entre as semanas epidemiológicas 42 (de 17 a 23 de outubro) e 45 (7 a 13 de novembro), a carga do novo coronavírus  no esgoto de Fortaleza teve leve aumento, mas ainda assim, os níveis são considerados baixos. Especificamente na semana 45, a capital cearense registrou a segunda maior carga viral da série histórica, iniciada em julho deste ano: 18,98 bilhões de cópias do vírus por dia para cada 10 mil habitantes. Até então, a maior taxa havia sido observada na semana 23 (6 a 12 de junho), quando foram verificadas 33,99 bilhões de cópias.

Em Belo Horizonte, o último levantamento apontou variação entre 11,2 e 22,4 bilhões de cópias por dia. Já na capital pernambucana, que também registrou baixas cargas virais, os índices oscilaram entre zero e 3,4 bilhões de cópias a cada 24 horas.

Em Brasília, os índices acendem alerta nas companhias de saneamento. Conforme o estudo, na análise entre os dias 7 e 13 de novembro, a carga chegou a 137,9 bilhões de cópias por dia para cada 10 mil habitantes, interrompendo a tendência de queda registrada nas semanas anteriores.

No Rio de Janeiro, os dados também preocupam. A cidade registrou variações entre 82,03 e 293,81 bilhões de cópias nas duas semanas analisadas. Apesar disso, os dados das quatro semanas  anteriores monitoradas apontam tendência geral de redução da carga viral em alguns pontos do município.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Sobre o monitoramento

A Rede Monitoramento Covid Esgotos acompanha as cargas virais e concentrações do novo coronavírus no esgoto de seis capitais e cidades que integram as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife e Rio de Janeiro. O trabalho, considerado uma das maiores iniciativas brasileiras de monitoramento da Covid-19 no esgoto, busca ampliar as informações para o enfrentamento da pandemia.

A intenção dos pesquisadores é que os resultados mensurados nos levantamentos possam auxiliar as autoridades locais de saúde na tomada de decisões relacionadas à manutenção ou flexibilização das medidas de controle para a disseminação da Covid-19. Os dados também podem fornecer alertas precoces dos riscos de aumento de incidência do vírus de forma regionalizada.

Com os estudos, o grupo pretende identificar tendências e alterações na ocorrência do vírus no esgoto das diferentes regiões monitoradas, o que pode ajudar a entender a dinâmica de circulação do vírus. Outra linha de atuação é o mapeamento do esgoto para identificar áreas com maior incidência da doença e usar os dados obtidos como uma ferramenta de alerta precoce para novos surtos.

A Rede é coordenada pela ANA e Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em ETEs Sustentáveis. A iniciativa conta com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e tem a colaboração de pesquisadores das seguintes instituições de ensino: Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A Rede também recebe apoio de companhias de saneamento locais e das secretarias estaduais de Saúde.

Mais notícias sobre a Covid-19

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags