PUBLICIDADE
Fortaleza
Noticia

"Operação de guerra" foi montada após falta de oxigênio em Upa de Fortaleza

De acordo com a secretária da Saúde de Fortaleza, todos os pacientes que precisam de oxigênio na Upa foram transferidos e não ficaram sem o apoio

12:32 | 15/03/2021
FORTALEZA, CE, BRASIL, 14.03.2021: UPA do Edson de Queiroz (Unidade de Pronto Atendimento), com grande movimentação de entrada e saida de ambulancia na UPA do Edson Queiroz, com denucias de falta de oxigenio na UPA. (Foto: Aurelio Alves/ Jornal O POVO) (Foto: Aurelio Alves)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 14.03.2021: UPA do Edson de Queiroz (Unidade de Pronto Atendimento), com grande movimentação de entrada e saida de ambulancia na UPA do Edson Queiroz, com denucias de falta de oxigenio na UPA. (Foto: Aurelio Alves/ Jornal O POVO) (Foto: Aurelio Alves)

Na manhã desta segunda-feira, 15, Ana Estela Leite, secretária da Saúde de Fortaleza, fez um balanço deste um ano de pandemia. Ela destacou a sobrecarga nas Unidades de Pronto Atendimento (Upas) da Capital e a "operação de guerra" no fim de semana para transferir pacientes que precisavam de oxigênio. No dia 15 de março de 2020, a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) confirmou os três primeiros casos de Covid-19 no Estado, todos em Fortaleza.

Segundo a SMS, a cidade de Fortaleza já registrou 138.551 casos da doença. O número de recuperados atingiu a marca de 66.421 pessoas no município. Ao todo, já são 5.289 mortes ocasionadas pelo coronavírus na Capital.

Durante a live, a secretária da Saúde de Fortaleza falou sobre a falta de oxigênio medicinal para os pacientes da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Edson Queiroz, durante o último fim de semana. Segundo a secretária, houve uma sobrecarga na demanda de pacientes que necessitavam de oxigênio. Ela explica que uma "operação de guerra" foi montada e que nenhum paciente ficou sem oxigênio. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi fundamental para contornar o problema, já que foi responsável por realizar a transferência de pacientes para outros leitos.

"Fortaleza tem um rede integrada, ampla, na qual gerenciamos leitos e observamos a demanda das nossas unidades diariamente, em todos os turnos. Em determinados momentos, nós temos as nossas Upas, que são as principais portas de entrada dos pacientes mais graves, onde temos o maior número de pacientes esperando leitos para internação. Em alguns momentos, elas ficam com a sua capacidade instalada sobrecarregada", explica Ana Estela.

LEIA TAMBÉM| Mulher realiza festa após morte do pai que estava com Covid-19

"O Samu rapidamente atuou na transferência desses pacientes para outros locais, outros leitos, assim foi possível evitar um colapso. Nenhum dos pacientes ficou sem oxigênio. Isso faz parte dessa luta diária. Em (alguns) dias, nós temos unidades sobrecarregadas com pacientes, em outros a sobrecarga pode comprometer a oferta de oxigênio. Em determinados momentos são insumos e medicamentos", relata a secretária.

No momento, mais de 700 leitos estão disponíveis na rede municipal para pacientes acometidos pela Covid-19.

Campanha de Vacinação

 

Durante a live, a secretária da Saúde de Fortaleza divulgou os números da vacinação na Capital. 158.326 pessoas já foram vacinadas com pelo menos a primeira dose de um dos imunizantes. Do total, 70.170 profissionais da saúde já estão vacinados, além de 87.918 idosos vacinados com a D1. 82.056 pessoas já foram contempladas com a segunda dose da CoronaVac.

LEIA TAMBÉM| Priscila Costa acusa Camilo de perseguição a manifestantes e ameaça pedir afastamento do governador

LEIA TAMBÉM| Operação apura sonegação de R$ 270 milhões com combustível