PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Priscila Costa acusa Camilo de perseguição a manifestantes e ameaça pedir afastamento do governador

Vereadora de Fortaleza, crítica do lockdown, acusa governador de usar tropas da PM para imtimidar manifestantes.

Filipe Pereira
11:49 | 15/03/2021
Vereadora Priscila Costa (PSC)  (Foto: Barbara Moira)
Vereadora Priscila Costa (PSC) (Foto: Barbara Moira)

A vereadora de Fortaleza, Priscila Costa (PSC), divulgou um vídeo nas redes sociais neste domingo, 14, onde afirma que pedirá afastamento do governador Camilo Santana (PT). A parlamentar acusa o petista de usar  tropas da Polícia Militar para promover intimidação política de manifestantes que realizaram ato contra o lockdown em Fortaleza. Ela afirma que, se coletar provas da suspeita, deve agir com o pedido. 

Em vídeo, gravado na frente do 34° Distrito Policial da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), para onde foram conduzidos manifestantes, a vereadora defende que o ato foi realizado em forma de carreata, ou seja, em veículos particulares "de acordo com sua liberdade de expressão que discordam das medidas autoritárias de Camilo Santana". Logo depois, Priscila aumenta o tom e acusa Camilo de "usar a Polícia do Ceará para intimidar".

"Nós vamos questionar as autoridades competentes, os órgãos competes, a secretaria de segurança. Queremos saber se outros cidadãos que estão no seu carro estão sendo presos a mando do governador, ou esses cidadãos, em particular, estão sendo intimidados. Se for isso que está acontecendo, o que parece evidente, nós não ficaremos caldos e pediremos o afastamento do governador Camilo Santana", completa a parlamentar de oposição. 

Na manhã deste domingo, manifestantes realizaram carreata contra o lockdown em Fortaleza. No período da tarde, o deputado estadual André Fernandes (Republicanos) realizou vídeos criticando a atuação da PM diante dos manifestantes. Em vídeo divulgado nas redes sociais, o parlamentar retira a máscara de proteção e se coloca na frente das tropas que agiam com spray de pimenta.

Nos registros, manifestantes aparecem aglomerados próximo à calçada da 10ª Região Militar do Exército Brasileiro, no Centro. O deputado, em concordância com o presidente Jair Bolsonaro, também faz parte do grupo de políticos que critica as medidas mais severas de isolamento social, em vigência no Ceará até o dia 28 de março para conter o avanço do novo coronavírus. Com UTIs lotadas, o Ceará enfrenta pior momento da pandemia. 

No último domingo, o Estado chegou a 471, 6 mil casos confirmados e 12.274 óbitos em decorrência da Covid-19. Com a vacinação ainda escassa em relação aos outros países, o Brasil também teve sua pior semana durante a pandemia. O País completou 16 dias seguidos de recordes na média móvel de óbitos e 53 dias com média acima de 1.000 mortes diárias.