PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Índice de mortes por intervenção policial é o maior desde maio de 2020

Número de CVLIs teve uma leve queda em relação a dezembro, quando o Estado registrou 319 mortes violentas. Em 2020, o índice teve um aumento significativo em fevereiro, quando o Ceará teve motim de policiais militares

Leonardo Maia
21:32 | 12/02/2021
Atuação da polícia deve ser revista para combater crimes no Ceará, de acordo com pesquisador. (Foto: Thais Mesquita/O POVO)
Atuação da polícia deve ser revista para combater crimes no Ceará, de acordo com pesquisador. (Foto: Thais Mesquita/O POVO)

O Ceará registrou 306 mortes violentas em janeiro, de acordo com dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). O número segue acima de 300 após setembro do ano passado, quando o Estado registrou 253 mortes — o menor índice de 2020. As estatísticas correspondem aos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), que representam homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de mortes.

O número de mortes causadas por intervenções policiais chegou a 20 casos em janeiro e foi o maior registrado desde maio do ano passado. A pasta não considera esse dado como homicídio intencional, devido ao excludente de licitude — instrumento que exclui a culpabilidade de condutas ilegais em determinadas circunstâncias, de acordo com o artigo 23 do Código Penal. Em 2020, 145 mortes foram decorrência de intervenção policial.

Ambas estatísticas também são superiores se comparadas a janeiro de 2020, quando foram anotados 265 CVLIs e oito mortes decorrentes de intervenções policiais. O mês seguinte, no entanto, foi marcado pelo motim dos Policiais Militares e um aumento significativo nos homicídios na Capital. O número subiu para 459, um incremento de 73%.

Leia Mais | Centro vai reunir toda estrutura da segurança pública do Ceará

SSPDS deixa de divulgar dados sobre segurança pública em site

Sesa decide não utilizar Inteligência da Segurança Pública em operação que fiscaliza festas no Ceará

Para o professor Geovani Jacó, pesquisador do Laboratório de Estudos Conflitualidades e Violência (Covio) da Universidade Estadual do Ceará (Uece), o alto patamar dos índices observados tem relação com a manutenção de uma política de segurança pública ineficaz. Ele defende que é necessário abrir um amplo debate na sociedade para discutir o funcionamento e combate às organizações criminosas, avaliando se a atual estratégia de “repressão” segue funcionando.

“A Polícia atualmente enxuga gelo. A criminalidade tem uma grande capilaridade e o que se investe mais são as ações repressivas. Precisamos ter discussões mais amplas, sobre descriminalização das drogas, acerca da efetivação de uma política nacional de fronteiras… Da forma que está, a polícia acaba produzindo mais violência e participando de uma política equivocada de combate ao tráfico. Antes da polícia, é preciso que tenha a política”, enfatiza.

O especialista considera ainda que as mortes podem estar sendo consequência dos efeitos da pandemia do novo coronavírus. A fiscalização de aglomerações, que continuam acontecendo ao longo dos últimos meses, dificulta ainda mais a coordenação do efetivo policial para atender e vigiar as ocorrências de segurança pública do dia a dia, conforme analisa Jacó. “Entrarmos em 2021 ainda nesse patamar é preocupante e segue como indicador de que a situação continua sob as mesmas condições”, lamenta.

>> Acesse página com todas as estatísticas disponibilizadas pela SSPDS