PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Três adolescentes e uma jovem de 18 anos são capturados suspeitos de atearem fogo em motorista de aplicativo

A prisão e as apreensões ocorreram em flagrante. Os adolescentes teriam suspeitado que a vítima era um policial e por isso a queimaram

11:34 | 24/11/2020
Criminosos teriam ateado fogo contra motorista após descobrir fotos dele fardado  (Foto: reprodução/redes sociais )
Criminosos teriam ateado fogo contra motorista após descobrir fotos dele fardado (Foto: reprodução/redes sociais )

Após verem as fotos do motorista de aplicativo vestido com uniforme militar e suspeitarem de que ele era policial, três adolescentes, dois de 16 anos e um de 13 anos, teriam decidido atear fogo nele. Foi o que concluiu a investigação da Polícia Civil do Estado do Ceará sobre a tentativa de latrocínio ocorrida no último sábado, 21, em Caucaia. Os jovens já foram capturados e uma jovem de 18 anos, que fez o chamado para o aplicativo de transporte, foi presa em flagrante. As informações foram repassadas no fim da manhã desta terça-feira, 24, na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS)

José Hilker Assunção de Sousa é ex-militar da Força Aérea e segue internado na UTI do Instituto Doutor José Frota (IJF), Centro de Fortaleza, após ter 90% do corpo queimado. Ele é casado e tem um filho de 2 anos, que ele sustenta por meio dos trabalhos com o aplicativo de transporte. Pelas redes sociais, a esposa afirmou que a situação do motorista é estável e que ele tem lutado pela vida.

Jovem teria sido isca

De acordo com a delegada Cláudia Guia, titular da 11ª delegacia do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que conduziu as investigações, o motorista chegou até o local do chamado pelo aplicativo. Lá, Hilker se comunicou com a suspeita de 18 anos, Maria Valdencleiny Gomes Ferreira, e avisou que estava do lado de fora da residência e perguntou, pelo aplicativo se ela viria para a corrida que havia chamado. A resposta da jovem é de que ela iria. No entanto, no endereço, entraram os três adolescentes, com um galão de gasolina. Eles disseram que iam atender a um amigo que estava em uma moto, sem combustível.

Eles seguiam no carro e anunciaram o assalto. Ao revistarem o celular do motorista, viram fotos dele com a roupa da Força Aérea e, segundo a delegada, disseram acreditar que se tratava de um policial. Os três adolescentes, dois de 16 anos e um 13 anos, teriam decidido atear fogo no motorista.

Segundo as investigações, a mulher que chamou a corrida teria colocado uma localização próxima ao local de apoio que os suspeitos utilizavam, um ponto de referência. Os adolescentes então abordaram o carro, fingindo ser passageiros, na rua Campo do Madureira, no Guajiru, em Caucaia. No endereço utilizado pelos suspeitos foi apreendido um simulacro de metralhadora.

LEIA MAIS | Ataque a motorista de app: criminosos atearam fogo contra ex-militar ao descobrir fotos dele fardado

O carro do motorista foi abandonado pelo grupo e apreendido por policiais militares na madrugada do domingo, 22, em Fortaleza, abandonado na rua da namorada de um dos suspeitos. 


Clique na imagem para abrir a galeria


O crime

 

De acordo com as investigações, apenas os três adolescentes, que são da mesma família, entraram no veículo. Eles portavam um galão de gasolina que seria usado pra abastecer uma moto, mas acabou sendo usado para incendiar o corpo do motorista de aplicativo. De acordo com a delegada da 11º Delegacia do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Cláudia Guia, o adolescente de 13 anos teria permanecido no carro, enquanto os dois de 16 anos teriam ateado fogo na vítima. Em depoimento, um dos jovens confessou a participação na ação e indicou o endereço do irmão e do primo, os outros suspeitos da tentativa de homicídio.