Participamos do

UFC chega a acordo sobre rescisões de demitidos da Maternidade Escola após cinco anos

De mais de 700 trabalhadores demitidos de hospitais universitários, 80 persistiram na ação até agora e serão beneficiados no acordo
18:50 | Set. 30, 2020
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Universidade Federal do Ceará (UFC) chegou a acordo para pagamento de indenizações trabalhistas a 80 trabalhadores demitidos da Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Meac). Os valores de rescisão irão do prazo de 2016 até a data de assinatura do acordo. O valor a ser pago é de R$ 7 milhões, além de outros R$ 3 milhões já depositados na conta do processo.

Na terça-feira, 29, o gabinete do reitor Cândido Albuquerque recebeu ofício no qual o Movimento em Defesa dos Trabalhadores na Saúde (Sameac/Ebserh/UFC) informou que aceitava a proposta da universidade. "Com isso, a UFC se propõe a continuar intermediando a relação entre esses ex-funcionários e a Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, a fim de que o pagamento a eles seja efetivado", informou a universidade. "Ao final de todas as negociações esse processo estará definitivamente encerrado", acrescenta a nota da UFC.

A disputa começou por causa da portaria 208, de 13 de março de 2015, do Ministério da Educação, que determinava que a UFC tinha prazo até 31 de dezembro de 2015 para substituir nos hospitais universitários os contratados pela Sociedade de Assistência a Maternidade Escola Assis Chateaubriand (Sameac) por empregados da Ebserh, criada no fim de 2011 para gerir hospitais universitários. Mais de 700 empregados foram atingidos.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O vínculo empregatício dos funcionários era considerado precário. Eles seriam devolvidos pela Meac e pelo Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) para a Sameac (Instituto Compartilha), que argumentou não ter dinheiro para pagar as rescisões.

Começou a longa batalha judicial, movida pelos advogados Clovis Renato Costa Farias e Thiago Pinheiro, com apoio do movimento Crítica Radical, que tem entre os expoentes a ex-prefeita Maria Luiza Fontenele, a professora Rosa Fonsêca, além de Jorge Paiva e Célia Zanetti.

Os advogados Clovis Renato Costa Farias e Thiago Pinheiro ao lado de manifestantes durante um dos atos nos cinco anos de mobilização
Os advogados Clovis Renato Costa Farias e Thiago Pinheiro ao lado de manifestantes durante um dos atos nos cinco anos de mobilização (Foto: ACERVO PESSOAL)

Houve protestos e o prédio do Hospital Universitário Walter Cantídio foi ocupado pelos trabalhadores, que se declararam em greve. Foi feito também panelaço. Chegou a ser concedida liminar proibindo demissões. Desde então, tentava-se acordo.

Ações foram movidas na 7ª Vara do Trabalho, Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região (TRT-7), na 4ª Vara Federal, TRF-5ª Região (Recife), Tribunal Superior do Trabalho (TST), Superior Tribunal de Justiça (STJ), Supremo Tribunal Federal (STF), Corte Interamericana de Direitos Humanos e Organização Internacional do Trabalho. 

Nesse meio tempo, muitos funcionários desistiram da ação. Dos mais de 700, 80 persistiram até agora e serão favorecidos por esse último acordo, que garante o pagamento da rescisão referente ao período até 2020. No início deste ano, houve decisão da Justiça do Trabalho favorável aos funcionários. Os que desistiram antes já foram contemplados com a rescisão até 2016.

As origens da crise

A Maternidade Escola foi criada a partir de campanha popular idealizada pelos Diários e Rádios Associados do Ceará, cujo proprietário, Assis Chateaubriand, dá hoje nome à instituição. Os trabalhos foram conduzidos pela Sociedade Pró-Construção da Maternidade Escola de Fortaleza. Quando as obras foram concluídas, em dezembro de 1964, a sociedade não tinha condições de manter o funcionamento da maternidade. Que foi assim doada à Universidade Federal do Ceará. A sociedade foi transformada em Sameac e foi firmado o primeiro convênio para que assumisse a administração do hospital.

A UFC pagaria à Sameac para arcar com as despesas médicas, administrativas e de manutenção. O convênio vigorou até 15 de maio de 1973. Dali em diante, foi firmado novo convênio que passou a abranger também o Hospital Universitário Walter Cantídio, também da UFC, nos mesmos termos pelos quais a Meac era administrada. Quando o Governo do Estado, a título de comodato, cedeu à UFC o prédio do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), com todo o material e equipamentos nele contidos, a administração também passou à Sameac. Novos contratos e convênios continuaram a ser firmados entre a UFC e a sociedade nos anos seguintes.

Na administração, os funcionários das unidades hospitalares eram contratados por intermédio da Sameac. Com a Constituição Federal de 1988, as regras para ingresso no serviço público mudaram. O advogado Clovis Renato explica que, a partir dali, deveria ter havido um corte. Dar estabilidade aos trabalhadores que tinham cinco anos de serviço público naquela época. E depois dali não mais fazer contratações naqueles moldes, mas sim por concurso público. Isso não ocorreu. As contratações para os hospitais universitários continuaram a ser feitas via Sameac até 2015. Foi a rescisão desses funcionários que levou ao conflito que agora se aproxima do desfecho. Sobretudo porque havia indicativos de que eles não receberiam os direitos trabalhistas. Isso agora será garantido.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags