PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Equinócio marca o início da primavera no hemisfério Sul; saiba o que muda no Ceará

A partir de outubro, o clima costuma ser mais seco, e a normal climatológica para as chuvas, no período, é de apenas 3,9 mm em todo o território cearense

Ismia Kariny
14:22 | 22/09/2020
Ipês da Avenida Domingos Olímpio, em Fortaleza (Foto: JÚLIO CAESAR)
Ipês da Avenida Domingos Olímpio, em Fortaleza (Foto: JÚLIO CAESAR)

Nesta terça-feira, 22 de setembro, ocorre o equinócio da primavera, período que marca o fim do inverno no Ceará. Apesar das estações não serem bem definidas no Estado, algumas mudanças são esperadas. Segundo a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), os ventos devem permanecer, mas a temperatura poderá ficar mais elevada durantes as tardes.

“Pela falta de cobertura das nuvens, as tardes tendem a apresentar temperaturas máximas ligeiramente mais elevadas do que o normal, alcançando 35ºC ou mais, principalmente em áreas do interior do Estado”, comenta Meiry Sakamoto, gerente de meteorologia da Funceme. Ela acrescenta que, com a permanência da temporada dos ventos, a sensação de calor pode ser amenizada.

A Funceme acrescenta que o equinócio de primavera, nesta terça-feira, 22, ocorre com a inclinação do eixo da terra, que, atualmente, está em 180º. Esse fenômeno faz com que o sol incida diretamente sobre a linha do Equador, fazendo, assim, com que a duração do dia e da noite sejam semelhantes.

Leia também | Equinócio de primavera ocorre nesta terça-feira; entenda o fenômeno

Já a partir de outubro, o clima costuma ser mais seco, e a normal climatológica para as chuvas, no período, é de apenas 3,9 mm em todo o território cearense. Considerando o histórico, Sobral, no Litoral Norte, é o município com a maior temperatura máxima média. Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a normal climatológica é de 36,6°C. Logo atrás vem Crateús (36°C) e Morada Nova (35,9°C).

O que muda na paisagem do Ceará?

Apesar da primavera ser considera a época das flores, no Ceará, não é esperado mudanças tão significativas na paisagem, como costuma ser observado na região Sul do País, por exemplo. De acordo com o orquidófilo e professor do Departamento de Fitotecnia da Universidade Federal do Ceará, Roberto Jun Takane, nesse período o Estado costuma apresentar folhas mais verdes, e, algumas árvores, como os Ipês, começam a desabrochar.

“[No Ceará] não existe uma primavera florida como na região sul do Brasil”, destaca Roberto. “O pessoal começa a prestar um pouco mais de atenção com relação às plantas, justamente pela mudança climática. Porque, normalmente, essa época do ano tem um maior tempo de luz disponível para as plantas, então a impressão é que esteja mais florido”, comenta o professor.

Nessa época, algumas flores costumam se destacar mais, embora floresçam em períodos diferentes, que não estão diretamente relacionados a primavera no Ceará. Entre elas, o professor cita as de espécie Bougainvillea, que costumam desabrochar durante a maior parte do ano. "Normalmente, com as primeiras chuvas depois de um tempo mais seco, as plantas vem com um verde mais intenso; essas seriam as chuvas do caju", complementa Roberto, se referindo as chuvas fora de época, que costumam ser associadas à floração do caju.

“Então, é muito mais aparente [ou visual] nessa época da floração do caju, mas não existe efetivamente esse aumento extraordinário de flores como a gente vê no Sul”, salienta. Outra espécie citada pelo professor, que costuma ser observada nesse período, é o Ipê. No entanto, ele frisa que a floração do ipê ocorre pouco antes das chuvas de caju. Assim, a planta acaba frutificando, perdendo flores e produzindo sementes antes e após as chuvas dessa estação.

Em entrevista anterior ao O POVO, Roberto Jun Takane elencou algumas dicas sobre como cuidar das plantas nessa época de ventos fortes e clima seco. No seu canal do Youtube, "Planta em Pote", ele também orienta sobre o cuidado de plantas em casas e apartamentos, e divulga informações sobre diferentes espécies de plantas e pragas que podem acometê-las.