PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Agências dos Correios funcionam normalmente nesta quarta-feira em Fortaleza

Assembleia marcada para as 19h30 de hoje deve definir os detalhes da paralisação

12:45 | 31/07/2019
Agências dos Correios funcionam normalmente nesta quarta-feira, 31.
Agências dos Correios funcionam normalmente nesta quarta-feira, 31. (Foto: Alex Gomes/ especial para O POVO)

Mesmo após indicativo de greve e de anúncio do início da paralisação para a manhã desta quarta-feira, 31, empregados dos Correios seguem em atividade e as agências permanecem abertas. Em Fortaleza, a agência Central, no Centro, funciona normalmente. 

O POVO esteve no local e conversou com clientes. A escritora Rejane Costa Barros, 50, conta que precisa do serviço para enviar os livros encomendados. “Quando vi a notícia (de possibilidade de greve), fiquei apavorada”, relata.

O diretor de imprensa do Sindicato dos Trabalhadores em Correios, Telégrafos e Similares do Estado do Ceará (Sintect-CE), Cláudio Cruz, afirma que assembleia marcada para as 19h30min desta quarta-feira deve definir os detalhes da paralisação. Apesar do anúncio de greve nacional ter sido feito nessa terça, 30, segundo Cruz, o objetivo é deflagrar greve a partir de meia-noite desta quinta.

Em nota, os Correios afirmam continuar em negociação com as representações dos empregados, com mediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST), e "não é oportuno tratar de greve neste momento".

Greve

O anúncio de paralisação foi feito depois que a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) realizou a última reunião prevista no calendário de negociações com os Correios, em Brasília. A greve foi anunciada ao presidente dos Correios, Floriano Peixoto, na última segunda-feira, 29.

No Ceará, a categoria informou que irá aderir à paralisação em apoio aos outros estados. Os trabalhadores temem pela exclusão dos pais como dependentes no plano de saúde e no aumento na coparticipação do plano, que hoje está aproximadamente em 30%. Além disso, os funcionários reclamam do valor proposto do reajuste salarial, que é de 0,8%, considerado pequeno pela federação.

Com informações da repórter Bruna Damasceno

 Redação O POVO Online