PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Brejo Santo: caminhoneiros em greve já seguiram viagem, diz PRF

De acordo com o comando da Polícia Rodoviária Federal no Ceará, ainda na noite de ontem os caminhoneiros seguiram viagem após realizarem manifestação que bloqueou estrada

Samuel Pimentel
12:00 | 26/07/2021
Ato de caminhoneiros em Tabuleiro do Norte marcou comemoração pelo Dia do Motorista, mas também protesto contra alta do preço dos combustíveis. (Foto: Reprodução do Twitter)
Ato de caminhoneiros em Tabuleiro do Norte marcou comemoração pelo Dia do Motorista, mas também protesto contra alta do preço dos combustíveis. (Foto: Reprodução do Twitter)

Iniciada na tarde de domingo, 25, com mais de 150 caminhoneiros e bloqueio da rodovia com pneus, o movimento de greve de caminhoneiros autônomos realizado no km 500 da BR-116, em Brejo Santo, já foi dispersado e os caminhoneiros seguiram viagem, afirmou a Polícia Rodoviária Federal (PRF), por meio de nota.

ACOMPANHE A COBERTURA | Apesar dos movimentos no Ceará e no Porto de Santos, adesão à greve não é grande

+ Protestos da greve dos caminhoneiros são registrados no Ceará e em outros cinco estados

O mesmo local havia sido um dos principais pontos de concentração de caminhoneiros durante a greve acontecida em 2018. No movimento de ontem, apenas carros de passeio e motocicletas poderiam passar, enquanto todos os caminhões eram parados no acostamento. De acordo com informações do Blog do Farias Júnior, quando a PRF chegou ao local, organizou o fluxo de veículos, mas, mesmo com a presença dos policiais, foram reportadas tentativas de roubo a caminhões estacionados em locais mais escuros e distantes da cidade.

Ainda no domingo, caminhoneiros fizeram manifestação em Tabuleiro do Norte, no km 213 da BR-116. Segundo a PRF, o trânsito não chegou a ser paralisado.

Pecém

Ainda em julho, caminhoneiros autônomos já realizaram paralização no último dia 14, na CE-155, estrada que dá acesso ao Porto de Pecém.

Dois itens estavam na pauta dos manifestantes: eles são contrários aos recentes aumentos dos preços dos combustíveis - especialmente o diesel -, e reclamam das condições ruins da estrada, que recebe grande movimentação de veículos pesados diariamente. Segundo eles, isso diminui a produtividade e aumenta os custos com manutenção.