PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Ceará assina com empresa australiana para instalação de usina de hidrogênio verde no Pecém

O grupo Fortescue Metal é um dos cinco maiores na produção de minério de ferro e tem interesse na descarbonização, com a produção de energia limpa

Beatriz Cavalcante
09:51 | 07/07/2021
Camilo com o memorando de entendimentos em mãos (Foto: Reprodução Facebook)
Camilo com o memorando de entendimentos em mãos (Foto: Reprodução Facebook)

O Governo do Estado assinou nesta quarta-feira, 7 de julho, memorando de entendimento com a australiana Fortescue Metal Group para instalação de usina de hidrogênio verde no Ceará, com transmissão ao vivo nas redes sociais. A expectativa é de que as obras do empreendimento comecem em março de 2022 com investimento total estimado em US$ 6 bilhões. Projeto prevê geração de 3.300 empregos diretos e indiretos em quatro anos, sendo 2.500 postos de trabalho durante a construção da usina e outros 800 empregos fixos para operação da linha de produção, prevista para começar o funcionamento em 2025.

LEIA TAMBÉM | Australianos visitam o Complexo do Pecém com interesse no hidrogênio verde do Ceará

O grupo é um dos cinco maiores na produção de minério de ferro e tem interesse na descarbonização, com a produção de energia limpa. Do total investido pela Fortescue Metal, US$ 3,5 bilhões são referentes a construção da usina no Complexo Industrial e Portuário do Pecém, no municípios de São Gonçalo do Amarante. Outros US$ 2,5 bilhões estão alocados para investimento em geração de energia para alimentar a planta de produção de hidrogênio verde.

A projeção é que a empresa firme contratos com unidades de geração de energia eólica e solar já presentes no Estado, já que o plano inicial não abarca estruturação de uma usina de geração de energia própria. Diferentemente dos planos da Qair Brasil, que assinou memorando de investimento de US$ 6,8 bilhões na tarde da última terça-feira, 6 de julho, para construção de uma usina de hidrogênio no Pecém, a ser alimentada por um parque de energia eólica offshore (produzida em alto mar). 

O combustível é a grande aposta hoje de crescimento para o Estado com o andamento da construção de um hub de hidrogênio verde no Complexo do Pecém. A maior parte do que será produzido será enviado para o Exterior.

De acordo com anúncio do governador do Estado, Camilo Santana (PT), equipes técnicas da empresa visitaram o Ceará como forma de iniciar os estudos para implementar a estrutura de base da usina no Estado. A planta industrial pretende produzir 30 milhões de toneladas de hidrogênio verde no Estado até o ano de 2030. "O maior investimento já feito no setor aqui no Ceará", complementa o gestor estadual.  

"Estamos construindo um futuro bem mais confortável para as gerações futuras", conforme definiu o atual reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC), Cândido Albuquerque, que mediante memorando, firmou parceria com o Estado para integrar as pesquisas cientificas com intuito de impulsionar o desenvolvimento de energia renováveis no Estado. 

Ao pontuar que além do acordo firmado com a empresa, o governador do Ceará pontuou ainda que no documento assinado nesta manhã constava a regulamentação da dispensa de tributação estadual sob as atividades a serem desenvolvidas pela empresa até o ano de 2050. "Acredito ser um passo importante para acelerar esse processo de negociação aqui no Estado", pontua. 

A empresa

Fundada em 2003, a Fortescue trabalha na descoberta e desenvolvimento de depósitos de minério de ferro, chegando a construir minas. Em suma, tornara-se referência global na produção nesta área.

De acordo com dados da empresa, exportam de 178 milhões a 182 milhões de toneladas de minério de ferro por ano e se apresentam como um dos produtores do segmento de menor custo do mundo.

Conforme balanço divulgado pela empresa na quarta-feira, 19, foram 42,4 milhões de toneladas exportadas somente no primeiro trimestre de 2021.