PUBLICIDADE
Economia
Noticia

Chinesa Mingyang fará testes no Pecém com torre eólica a ser instalada no mar

Empresa assinou, no ano passado, memorando de entendimento com governo para implantar parque eólico no Estado

20:36 | 10/03/2021
Objetivo da empresa é conferir o desempenho do equipamento nas condições climáticas cearenses (Foto: Presidential Office Taiwan)
Objetivo da empresa é conferir o desempenho do equipamento nas condições climáticas cearenses (Foto: Presidential Office Taiwan)

A chinesa Mingyang Smart Energy estuda implantar uma única torre eólica na região do Pecém para medir o desempenho do equipamento nas condições climáticas do Ceará. A empresa assinou memorando de entendimento para instalação de um parque eólico offshore (no mar) no Estado em outubro do ano passado com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet).

"O objetivo é verificar como o equipamento deles funcionaria aqui", revelou a secretária executiva da Indústria da Sedet, Roseane Medeiros.

De acordo com ela, o projeto de instalação de torres em alto mar, em águas não profundas e afastadas de rotas marítimas continua evoluindo. A previsão de implantação do parque é 2023 e a geração de empregos na fase inicial é de 2 mil postos.

Uma fábrica de equipamentos para eólicas offshore também é alvo de investimento da Mingyang Smart Energy no Ceará. Outro memorando assinado com a Sedet indica investimento de R$ 400 milhões para uma planta que funcionaria como um hub de exportação de equipamentos.

LEIA MAIS

 

Na mira dos chineses

Na manhã desta quarta-feira (10), Roseane participou de um webinar promovido pela Câmara Chinesa de Comércio do Brasil, na qual foram apresentadas oportunidades de negócios no Ceará em 2021.

Setores da energia renovável, "incluindo nosso hub de hidrogênio verde", fruticultura e o distrito de inovação em saúde foram destacados pela secretária executiva da Indústria, que contou de boa receptividade pelos chineses.

"Ainda apresentamos a estrutura do IDT (Instituto de Desenvolvimento do Trabalho) porque há uma preocupação do investidor estrangeiro quando chega ao Ceará de captar mão de obra", reforçou.