PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Empresa chinesa quer transformar Pecém em centro de logística para exportar equipamentos eólicos

Representantes da multinacional chinesa por trás do projeto chegaram no Ceará nesta segunda-feira, 19, para definir detalhes da operação

22:55 | 19/10/2020
Representantes da empresa chinesa chegaram ao Ceará nesta tarde (Foto: Divulgação)
Representantes da empresa chinesa chegaram ao Ceará nesta tarde (Foto: Divulgação)

O Governo do Ceará assinou, em setembro deste ano, o protocolo de intenção com a multinacional chinesa, Mingyang Smart Energy, para a instalação de uma fábrica de turbinas eólicas offshore (no mar), que será realizada no Complexo do Pecém. Pouco mais de um mês após o episódio, o projeto teve avanço e detalhes da operação começaram a ser definidos. 

O vice presidente da empresa chinesa, Larry Wang, chegou ao Estado nesta segunda-feira, 19, com o objetivo de discutir quanto à instalação do equipamento. A intenção do grupo, de acordo com o representante, é transformar o Porto do Pecém em um centro de logística que opera com exportações de equipamentos para usinas de energia eólica offshore.

| LEIA MAIS | Turismo e meio ambiente podem ser prejudicados com usina na costa

A primeira fase da implementação, no entanto, está prevista para acontecer apenas em 2022. Além de gerar empregos, o projeto deve fazer com que o Ceará "atraia empresas que produzam energias renováveis", como afirmou o secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Maia Júnior.

Ainda segundo o Governo, enquanto detalhes começam a ser definidos gestores "locais e internacionais" já buscam pela instalação de quatro parques situados em Caucaia (1), Camocim (1) e em Amontada (2). Esse último contando com a capacidade de geração de 400 megawatts (MW).