PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Mulher mantida em cativeiro e torturada por companheiro em Pacoti sofria violência doméstica há 3 meses

Vítima teve sua família ameaçada pelo companheiro, o que dificultou denúncias anteriores. O homem foi preso na manhã desta quinta-feira, 23, após o cumprimento do mandado de prisão preventiva

Jéssika Sisnando
23:06 | 23/07/2020

O caso da mulher que foi raptada no último sábado, 18, e encontrada amarrada a uma árvore e com diversas marcas de lesões na última segunda-feira, 20, revela um contexto de violência doméstica que se estendia há três meses, desde o início do relacionamento. O crime ocorreu em Pacoti, a 93 quilômetros de Fortaleza. A vítima, de 42 anos, teve ainda a família ameaçada pelo companheiro, suspeito do crime preso nesta quinta, 23, o que dificultou denúncias anteriores.

O POVO apurou que a mulher foi retirada de casa pelo companheiro e levada a uma mata de difícil acesso. Após o rapto, policiais encontraram a vítima que estava em cativeiro há três dias, em condições desumanas. Ela segue internada em um hospital e ainda não prestou depoimento sobre o caso. Não há informações sobre o estado de saúde.

O homem foi preso nesta manhã após o cumprimento do mandado de prisão preventiva obtida pela Polícia Civil, por meio do delegado Anchieta Fernandes, titular da Delegacia de Guaramiranga, que acompanha o caso. O preso, de nome preservado para não identificar a vítima, confessou aos policiais que agrediu a mulher com chutes, mordidas e socos.

Apesar da violência doméstica sofrida pela vítima, no decorrer do relacionamento não havia registro de denúncias. Conforme O POVO apurou, a família era ameaçada e até mesmo os moradores tinham medo do criminoso, que afirmou, em depoimento, ter tido relações sexuais de forma consensual com a vítima durante o rapto. No entanto, esse relato será apurado. Para a Polícia, a investigação pode mostrar que houve um estupro.

O mandado de prisão é referente a tortura e mau- tratos, no entanto, no decorrer do inquérito, outros crimes podem ser incluídos. A Polícia Civil vai ouvir a vítima no momento que ela estiver em condições.