PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Prefeito assassinado em Granjeiro era investigado pela PF por fraudes em licitações

Investigação apontou que João do Povo, como era conhecido, teria movimentado mais de R$ 26 milhões em uma conta de um familiar beneficiado por aposentadoria rural

Rubens Rodrigues
10:03 | 24/12/2019
Prefeito exercia cargo pela primeira vez
Prefeito exercia cargo pela primeira vez (Foto: Reprodução/Facebook)

Atualizado às 16h19min de 24/12/2019

Conhecido como João do Povo, o prefeito de Granjeiro, João Gregório Neto (PL), foi assassinado na manhã desta terça-feira, 24, véspera de Natal. A vítima tinha 54 anos e levou três tiros enquanto caminhava no entorno do açude Junco, no município distante 442,2 km da Capital. Ele era investigado pela Polícia Federal (PF), no âmbito da Operação Bricolagem, que investigava fraudes em licitações.

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), equipes da Delegacia Regional de Juazeiro do Norte, da Regional de Iguatu e do Departamento de Polícia Judiciária do Interior Sul (DPJI Sul) da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) foram mobilizadas para o local e apuram as circunstâncias para identificar os autores do crime.

A Polícia Militar do Ceará faz buscas pelos suspeitos com equipes de Cariús, Cedro, Iguatu, Juazeiro do Norte e Várzea Alegre, com apoio da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer). "De acordo com informações preliminares, a vítima fazia caminhada próximo de casa quando foi surpreendida por homens que fizeram disparos de arma de fogo", diz a pasta.

Operação Bricolagem

Em julho deste ano, a PF cumpriu quatro mandados de busca e apreensão, deferidos pelo Tribunal Regional Federal 5ª Região (TRF-5): três no município de Farias Brito e um em Várzea Alegre. Ação foi dentro da 2ª fase da Operação que investiga fraudes em licitações e desvio de verbas federais em Granjeiro. Foram recolhidos computadores, celulares e documentos. A ação policial ocorreu em três empresas e em uma residência. Um dos alvos da operação foi um assessor direto de João Gregório. 

A primeira fase da Operação se deu em novembro de 2018. A PF informou, na época, que João Gregório havia movimentado mais de R$ 26 milhões em uma conta de um familiar que era beneficiado por aposentadoria rural. Em cumprimento de mandado de busca e apreensão na casa do então prefeito, a PF encontrou R$ 213 mil escondidos em caixas de sapato. A sede da Prefeitura também foi averiguada.

Em coletiva de imprensa, a delegada da Polícia Federal, Josefa Maria Lourenço, afirmou que a quantia foi movimentada durante cerca de dois anos. "É uma movimentação muito vultosa para a capacidade financeira do titular da conta", disse a delegada. A rádio CBN Cariri esteve presente na entrevista.

Ela também disse que as empresas vencedoras da licitação não executavam as obras de reforma das escolas do município, e sim o próprio João de Deus era quem articulava. "Ele mesmo se encarregava de comprar material, determinar execução, contratava pessoas", informou a delegada. Os contratos com as empresas que deveriam realizar as obras totalizavam mais de R$ 5 milhões.

João do Povo

João Gregório Neto nasceu em 29 de maio de 1965, no Sítio Canabrava dos Gregório, em Granjeiro. Ele foi o segundo de sete filhos do agricultor Raimundo Gregório Alves e da dona de casa Maria Vilamy Gregório. João do Povo era casado com Fabiana Ferreira de Aquino, com quem teve um filho. Ele exercia pela primeira vez o cargo de prefeito, eleito em 2016 com 53,39%. Ingressou na vida política em 1989, quando foi eleito vereador. Foi reeleito em 1993 pelo antigo Partido da Frente Liberal (PFL).

João do Povo cursou ensino médio na Escola Municipal Doutor Pedro Sapiro, em Várzea Alegre. Também era integrante da loja maçônica Harmonia, no mesmo município. Ingressou no ramo empresarial nos anos 90, quando abriu dois estabelecimentos: uma churrascaria e uma pizzaria que também funcionava como pousada.

Em nota, a Prefeitura de Granjeiro diz que "João do Povo tem projetado uma gestão comprometida com a população, com mudanças que beneficiam diretamente as camadas populares do município". (Colaboraram: Eliomar de Lima e Amaury Alencar)

Em nota, a Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece) lamentou a morte de João Gegrório Neto. "A entidade está solicitando do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, que não sejam poupados esforços para a elucidação e a punição desse crime bárbaro. Com grande pesar, a Aprece manifesta suas condolências à família e amigos do gestor, bem como à toda população de Granjeiro", declarou.

Confira a nota na íntegra:

"Por meio de sua diretoria, a Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece) lamenta profundamente a morte do prefeito de Granjeiro, João Gregório Neto, que foi assassinado a tiros, no início da manhã desta terça-feira (24). A entidade está solicitando do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, que não sejam poupados esforços para a elucidação e a punição desse crime bárbaro. Com grande pesar, a Aprece manifesta suas condolências à família e amigos do gestor, bem como à toda população de Granjeiro."