Polícia apreende R$ 90 mil em espécie em condomínio de luxo no Eusébio

O alvo da operação "Pista Fria" vive em um condomínio de luxo no Eusébio, onde foram encontrados os R$ 90 mil. Na primeira fase da operação, 32 carros foram apreendidos

A Força Integrada ao Crime Organizado (Ficco) no Ceará apreendeu, na manhã desta quarta-feira, 5, R$ 90 mil em espécie e 32 veículos na primeira fase da operação “Pista Fria”. O alvo da ação policial é um homem apelidado de "Vaqueiro", suspeito de liderar uma organização criminosa. O homem, que levaria uma vida de ostentação, reside em um condomínio de luxo no Eusébio. Nesta fase da operação foram cumpridos 21 mandados de busca e apreensão.

Na residência dele foi encontrada e apreendida a quantia em dinheiro. “Vaqueiro” é natural de Pereiro, interior do Ceará, mas morou muitos anos em São Paulo, onde se filiou à facção criminosa do Primeiro Comando da Capital (PCC). Não havia mandado de prisão contra o alvo de busca e apreensão.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

De acordo com as investigações, o suspeito retornou ao Ceará para expandir a lavagem de dinheiro que vinha realizando. Ele teve passagem pela polícia quando morava em Piracicaba, em São Paulo.

Segundo o delegado Paulo Renato Almeida, que compõe a Ficco no Ceará, o líder da organização criminosa angariou mais participantes da cidade de Pereiro para a atuação de lavagem de dinheiro.

Conforme o delegado, as diligências já chegaram em 12 pessoas de diferentes localidades. No Ceará, a ação chegou a Fortaleza, Eusébio e Cascavel. Além de Salvador (BA), Cotia (SP), Brasília (DF), Castanhal (PA) e Francisco Dantas (RN).

Durante as buscas e apreensões nesses locais foram apreendidos 32 veículos, entre eles com modelos SW4, Nivus e Commander.

Operação "Pista Fria": esquema de lavagem de dinheiro

De acordo com o delegado Paulo Renato Almeida, “foi dissimulada a origem do dinheiro como transferência de valores usando venda de veículos e imóveis”. A investigação aponta que o dinheiro ilícito é oriundo do crime de tráfico de drogas. 

A operação foi nomeada de “Pista Fria” em referência à pista de vaquejada, pois o apelido do alvo é “Vaqueiro”. O delegado revelou que as investigações duraram seis meses. O valor total do montante adquirido pela organização criminosa ainda não foi calculado.

As diligências, autorizadas pelo Colegiado de Juízes, visam aprofundar uma investigação destinada a desestruturar célula de uma organização criminosa.

A Ficco é composta pela Polícia Federal (PF), Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS-CE), Polícia Militar do Ceará (PMCE), Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Secretaria Nacional de Políticas Penais (SENAPPEN), Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) e Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização do Estado do Ceará (SAP).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Facções Criminosas

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar