Participamos do

Ninho com 145 ovos de tartarugas ameaçadas de extinção é resgatado em Beberibe

Ação foi realizada pelo Instituto Verdeluz em parceria com a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) e Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema) nessa quinta-feira, 7
19:32 | Abr. 08, 2022
Autor Mirla Nobre
Foto do autor
Mirla Nobre Repórter-trainee
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Instituto Verdeluz, em parceria com a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), realizou nessa quinta-feira, 7, a translocação de um ninho de tartarugas ameaçadas de extinção. O abrigo estava localizado na faixa de praia do litoral Leste, no município de Beberibe, a 82 quilômetros de Fortaleza.

Conforme a ONG, as espécies estavam ameaçadas devido estarem próximas a uma barragem e, em virtude dos registros de chuvas no município, a ninhada corria o risco de ser levada pela água das chuvas. Ao todo, 145 ovos de tartarugas foram resgatados.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A situação de risco foi percebida após a própria comunidade ter enviado um vídeo no momento da desova da tartaruga para representantes do projeto Gtar, do Instituto Verdeluz. A ação de translocação foi solicitada aos órgãos ambientais pelo Instituto, que monitora o ninho. Ainda de acordo com a ONG, o ninho foi transferido para um local na mesma praia, no entanto á poucos metros de onde se encontrava.

Segundo Ruama Rufino, oceanógrafa e coordenadora de campo do projeto Gtar do Instituto Verdeluz, o local escolhido pela tartaruga para desova tem um fluxo intenso de água em períodos de chuvas intensas. Dessa forma, o ninho corria o risco de ser levado pela correnteza."A gente foi lá um dia após a tartaruga ter colocado os ovos. Quanto mais cedo a gente faz esse manejo, menos impacto aquele ninho vai sofrer. É um trabalho bastante delicado para gente não mover muito os ovos e não influenciar negativamente no desenvolvimento embrionário deles", explicou a especialista.

Segundo a técnica da Sema, Thaís Câmara, as espécies poderiam ter sido perdidas com o surgimento de mais chuvas na região. Os agentes ambientais suspeitam que as tartarugas sejam da espécie Tartaruga-de-pente, que também é mais comum de surgir naquele habitat.

Para ações de preservação animal e ambiental, a Semace informa que a população deve auxiliar solicitando as medidas, como no caso de ocorrências de encalhes de tartarugas e outros animais marinhos. A ocorrência deve ser avisada à superintendência pelo telefone (85) 3254 3083 ou 0800 275 2233.

 



Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar