Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Estado terá nova adutora para melhorar segurança hídrica no Sertão Central

Obra tem prazo de três anos para ser entregue. Projeto beneficiará mais de 280 mil cearenses em nove municípios e 38 distritos

A primeira adutora do projeto Malha D’água teve ordem de serviço assinada pelo governador Camilo Santana na manhã desta sexta-feira, 4. Com isso, o Sistema Adutor Banabuiú - Sertão Central será o pontapé da nova estratégia estadual para o abastecimento hídrico. O projeto pretende capilarizar, a partir dos maiores açudes de cada região do Ceará, a distribuição de água tratada. 

Nesta primeira fase, a água captada do Açude Banabuiú deve beneficiar 280.620 cearenses. São 688 km de encanamentos chegando a nove municípios: Banabuiú, Jaguaretama, Solonópole, Milhã, Deputado Irapuan Pinheiro, Senador Pompeu, Piquet Carneiro, Mombaça e Pedra Branca. Além destes, 38 sedes distritais serão abastecidas a partir da malha.

“O Ceará parte na frente, dando uma demonstração que, com investimento e planejamento, é possível resolver definitivamente o problema de abastecimento de água", afirmou o governador. Segundo ele, o objetivo é que o projeto se torne um exemplo e o Nordeste pare de depender dos carros-pipa.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Francisco Teixeira, secretário de Recursos Hídricos, explica que "a filosofia do projeto é dar capilaridade à garantia quantitativa e qualitativa da água no território". "Além das adutoras, será construída uma estação de tratamento com ultrafiltração na margem do açude. Assim, a água faz todo o percurso já tratada", expõe.

Quanto à sustentabilidade do projeto perante a capacidade hídrica dos reservatórios, Teixeira enfatiza que o Açude Banabuiú é o terceiro maior do Ceará e, atualmente, guarda 126,3 milhões de litros de água (o equivalente a 8% de sua capacidade total). "Todos os açudes vivem em alternância de volume. O ponto principal é a gestão desse recurso, priorizando o abastecimento humano e liberando para a irrigação somente se houver excedente."

Também presente na solenidade, o presidente do Consórcio de Desenvolvimento da Região do Sertão Central Sul, Maurício Pinheiro, afirmou a importância do projeto para os municípios. “Somos a região que menos chove, que tem maiores dificuldades de abastecimento de água para o consumo humano nas regiões urbanas. Esse projeto vai alavancar a autoestima do povo do Sertão Central”, celebrou.

Com a assinatura da ordem de serviço, as obras podem iniciar imediatamente e devem ser concluídas em até três anos. O investimento é de R$ 643.315.708,04 vindos de financiamento do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). Já as obras serão de responsabilidade de consórcio liderado pelas construtoras Passarelli Engenharia e PB Construções. (Colaborou Alexia Vieira)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar