Participamos do

Sesa e Sopai devem realizar 1,7 mil cirurgias pediátricas em um ano

Consultas pré-cirúrgicas já foram iniciadas. Programa deve finalizar procedimentos no fim de 2022
22:36 | Nov. 24, 2021
Autor Ana Rute Ramires
Foto do autor
Ana Rute Ramires Repórter da editoria de Cidades
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Por meio de programa de cirurgias pediátricas, Ceará deve realizar 1.700 procedimentos e 1.600 consultas pré-cirúrgicas em um ano. Iniciada nesta quarta-feira, 24, o programa da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) em parceria com a Sociedade de Assistência e Proteção à Infância de Fortaleza (Sopai) tem prazo de finalização previsto para o fim de 2022.

Diretor técnico da unidade, Fabrício Aderaldo Menezes diz que a maior demanda é de procedimentos de hérnias hidroceles, otorrinolaringologia e ortopedia. "São cirurgias altamente especializadas de pequeno e médio porte", explicou. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

As consultas de ortopedia já foram iniciadas e as cirurgias dessa especialidade terão início no final deste mês. Já as consultas e cirurgias de otorrinolaringologia devem ser iniciadas em dezembro. "Tem criança com pé torto congênito que  a cirurgia é muito simples se realizada até um ano de vida. É muito mais complexa se realizada depois", detalha, sobre a importância da rapidez no processo. 

Paloma Jarliele, de 17 anos, e sua filha Maria Valentina, de 1 mês e 23 dias
Paloma Jarliele, de 17 anos, e sua filha Maria Valentina, de 1 mês e 23 dias (Foto: Fernanda Barros)

Paloma Jarliele, 17, já iniciou o acompanhamento para a cirurgia de Maria Valentina, de um mês e 23 dias. Após uso de gesso, ela deve ser submetida a cirurgia para tratar do pé torto congênito. "Viemos hoje para a primeira consulta. Fomos encaminhadas de Canindé. Vamos vir todo sábado", contou. 

A iniciativa está alinhada às ações do Programa Mais Infância Ceará, idealizado pela primeira-dama Onélia Santana.

Conforme o secretário da Saúde do Ceará, Marcos Gadelha, a fila de pacientes será regulada pela Central de Regulação Estadual, contudo, a porta de entrada será por meio de atendimento inicial nos postos de saúde. Segundo o titular da Sesa, houve a necessidade de fazer a qualificação dessa fila. "A gente teve muita dificuldade de identificar as pessoas, não localizava, a pessoa estava na fila e já tinha feito a cirurgia", exemplifica.

Ele afirmou que o sistema de regulação está sendo qualificado principalmente para facilitar o acesso de pacientes do Interior. A ferramenta Plantão Cirurgia 24h, recém lançada, permite acompanhamento lista de espera para procedimentos eletivos a pacientes que aguardam cirurgia, disponível na plataforma Saúde Digital e no Ceará APP.

Segundo Gadelha, já foi realizado um chamamento para hospitais privados e filantrópicos que serão contratados para a realização de cirurgias no Interior. Dessa forma, os pacientes não precisam se deslocar para a Capital. As instituições terão 60 dias para se habilitar para a realização dos procedimentos. 

"Se for em Fortaleza, Sopai vai atender. Mas quando falamos no Interior do Estado, essa dificuldade de acesso é maior. A gente precisa mapear as instituições que tem essa capacidade de oferta. Se não tiver, a gente traz. Uma vez que a gente qualifica a fila, podemos dimensionar a demanda", explica o secretário.


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags