Participamos do

Bombeiros monitoram fumaça no Cocó para inibir novos focos de incêndio

Corpo de Bombeiros atua agora em aeronave da Ciopaer para identificar focos de fumaça
11:57 | Nov. 19, 2021
Autor Levi Aguiar
Foto do autor
Levi Aguiar Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE) continua realizando procedimentos de combate ao incêndio no Parque Estadual do Cocó. Ao O POVO, o coordenador de operações, Capitão Gadelha, informou que há seis viaturas operacionais e cerca de 30 bombeiros no local. Além disso, há uma aeronave da Ciopaer (Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas) sobrevoando o local para ter uma visão ampla do território. "Hoje, o foco principal é identificarmos onde há uma maior quantidade de fumaça. A gente quer chegar a essa fumaça para evitar que esse incêndio possa ser reativado", comenta o coronel Gadelha.

O coronel explica que o foco prioritário é combater a fumaça e evitar novamente a ignição do fogo. "A gente tem agora o pessoal da Ciopaer fazendo um sobrevoo em toda área para termos uma noção exata de como está a situação, para em seguida atacar esses focos de incêndios em relação à fumaça, com a premissa de que onde há fumaça, há fogo".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Incêndio afeta território do Parque Estadual do Cocó. Bombeiros atuam para cessar focos de incêndio e fumaça no local. Imagens tiradas da aeronave da Ciopaer.
Incêndio afeta território do Parque Estadual do Cocó. Bombeiros atuam para cessar focos de incêndio e fumaça no local. Imagens tiradas da aeronave da Ciopaer. (Foto: Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará)

Ao O POVO, o gestor do Parque do Cocó, Paulo Lira, ponderou que os focos de incêndio poderiam estar sendo reativados, por isso buscaram acionar os Bombeiros novamente na manhã sexta sexta-feira, 19.

Segundo o coronel do Corpo de Bombeiros, o que mais tem atrapalhado é o acesso aos locais. "Não há como as viaturas chegarem, nós temos que armar linhas de mangueiras muito distantes, muito longas. Hoje, como temos muitos troncos ainda com brasas, fica difícil a gente fazer o combate total, encharcar esse tronco com as águas".

*Com informações de Gabriel Borges

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente