Participamos do

Interrupção das águas do São Francisco não afeta volume do Castanhão, diz SRH

De acordo com a pasta, suspensão da transferência das águas do Velho Chico para o Ceará já era prevista para o segundo semestre
23:13 | Set. 29, 2021
Autor Luciano Cesário
Foto do autor
Luciano Cesário Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Há mais de quatro meses sem receber as águas da transposição do Rio São Francisco, o açude  Castanhão, maior reservatório hídrico do Ceará, encerra setembro com a menor carga hídrica já registrada em 2021 (10,03%). Em maio, último mês de bombeamento das águas do Velho Chico para o açude, o volume era de 12,28%. Apesar da redução, a Secretaria Estadual dos Recursos Hídricos (SRH) diz que a suspensão do bombeamento das águas da transposição ao Ceará tem pouca relação com os números atuais.

De acordo com a pasta, a maior parte do volume hídrico do Castanhão provém das chuvas registradas entre fevereiro e maio, período conhecido como quadra chuvosa. “As águas do São Francisco são um complemento, mas não significa muito no todo”, acrescentou a SRH em nota enviada ao O POVO.

A Secretaria ainda explica que a interrupção do bombeamento das águas para o Castanhão já era prevista para o segundo semestre deste ano. “A transferência é programada para acontecer sempre no primeiro semestre, visto que as perdas são menores e a eficiência é maior. Trazer água agora ia ser um desperdício, pois os rios que fazem esse caminho até o Castanhão estão secos ou com níveis muito baixos. Além da evaporação, que nessa época é muito maior devido às altas temperaturas”, detalhou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A pasta ainda informa que foi solicitado ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) o retorno do bombeamento para o início de 2022, a fim de que haja melhor aproveitamento do aporte hídrico extra durante o período chuvoso.

Estado de alerta

Sem a expectativa de novas precipitações até o fim do ano, a SRH manifesta preocupação com a redução progressiva do nível de reserva hídrica do Castanhão. A pasta afirma que o volume atual acende sinal de alerta, já “todo e qualquer cenário abaixo de 30% é considerado crítico”. Por outro lado, descarta, temporariamente, risco de desabastecimento hídrico já que os Municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e do Baixo Jaguaribe estão sendo abastecidos por poços artesianos.

Embora amargue baixo nível de aporte, o volume hídrico atual do Castanhão, de aproximadamente 250 milhões de metros cúbicos, é o maior entre os reservatórios cearenses. Em segundo lugar aparece o açude de Orós, com cerca de 210 mi/m³, seguido por Araras (100 mi/m³), Taquara (60 mi/m³) e Faé (40 mi/m³). Os números constam em monitoramento realizado nesta quarta-feira, 29, pela SRH, em parceria com a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh) e o Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags