PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Médicos de hospital e UPA de Maranguape denunciam salários atrasados

Profissionais apontam que dívidas foram deixadas pelo ex-prefeito do município João Paulo Xerez (PDT). Caso será resolvido judicialmente

Mirla Nobre
19:04 | 14/04/2021
FORTALEZA, CE, BRASIL, 23.02.2021: Hospital Municipal de Maranguape atinge a capacidade máxima na ala de COVID e transfere 10 pacientes para capital. (Foto: Thais Mesquita/OPOVO) (Foto: Thais Mesquita)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 23.02.2021: Hospital Municipal de Maranguape atinge a capacidade máxima na ala de COVID e transfere 10 pacientes para capital. (Foto: Thais Mesquita/OPOVO) (Foto: Thais Mesquita)

Diante da troca de gestão da Prefeitura de Maranguape e dos problemas financeiros deixados na última administração, cerca de 40 médicos têm mantido a rotina em hospitais com salários atrasados. É o que acontece com os profissionais do Hospital Municipal Doutor Argeu Gurgel Braga Hersbster e da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município. Os médicos estão com salários referentes a dezembro de 2020 em atraso e sem previsão para recebimento após quatro meses tentando solucionar a situação com a atual gestão.

Localizado na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), o município de Maranguape passou a ser administrado neste ano pelo prefeito Átila Câmara (Solidariedade), eleito nas últimas eleições municipais, em 2020. Conforme ele denunciou no começo do mandato, em janeiro, a antiga gestão do ex-prefeito João Paulo Xerez (PDT) deixou uma dívida de cerca de R$ 1,4 milhão referente aos valores para os pagamentos dos salários dos médicos da cidade.

LEIA TAMBÉM | Com salários atrasados, médicos paralisam atividades em Juazeiro do Norte

De acordo com uma fonte ouvida pelo O POVO, que preferiu ficar no anonimato, a antiga administração não empenhou os valores para pagamento dos salários dos médicos das unidades de saúde. Estes profissionais atuam na linha de frente no combate a Covid-19 do município, visto que o Hospital Municipal e a UPA são unidades específicas para o atendimento da doença na cidade. Também foi apontado o atraso de salários de cirurgiões, traumatologistas e anestesistas que atendem outras enfermidades nas unidades de saúde.

Ainda segundo a fonte, uma reunião para solucionar o caso foi realizada no último dia 8 de abril com a Prefeitura de Maranguape e Secretaria de Finanças. Os profissionais afetados informaram que a dívida não foi reconhecida por João Paulo Xerez por ela não estar empenhada, alegando como se o serviço não tivesse sido prestado. Uma lista assinada pelos profissionais que trabalharam no mês de dezembro do ano passado foi apresentada à antiga gestão, mas o ex-prefeito não reconheceu a dívida, ressaltando a questão dos valores não empenhados.

Em nota enviada ao O POVO, a Prefeitura de Maranguape informou que tomou conhecimento da existência da dívida com os profissionais da saúde relativamente aos plantões realizados no mês de dezembro de 2020, de responsabilidade da gestão passada. A Prefeitura também aponta que, em consulta aos registros contábeis da prefeitura, constatou-se que a gestão anterior, “além de não pagar os plantões, sequer liquidou ou mesmo empenhou a despesa em referência”.

LEIA TAMBÉM | Ceará tem 977 pacientes de Covid-19 em fila de espera por leitos

Um levantamento dos plantões dos médicos do Hospital Municipal e da UPA está sendo realizado pela Secretaria da Saúde do município com a correspondente identificação dos profissionais médicos e dos valores respectivos para desencadeamento de processo de reconhecimento de dívida. A atual gestão explica que, feito o levantamento, o processo será submetido à análise da Procuradoria Geral do Município “para exame de sua viabilidade jurídica”, e assim solucionar o caso de forma judicial. A Prefeitura de Maranguape informa ainda que “envidará todos os esforços para solução da pendência no mais breve lapso temporal.”

Em janeiro deste ano, O POVO já havia relatado sobre as denúncias de dívidas deixadas na última gestão de Maranguape. Na época, o atual prefeito da cidade, Átila Câmara (Solidariedade) denunciou a antiga gestão de João Paulo Xerez (PDT). Foi apontada uma dívida de R$ 1,6 milhão referente aos valores retidos para os pagamentos de pensões, seguro social (INSS), empréstimos consignados, planos de saúde, contribuições sindicais, entre outros, dos servidores públicos da cidade.

Além dessas retenções, Átila e sua equipe também encontraram outras espécies de dívidas: R$ 1,7 milhão com Enel, R$ 350 mil com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), R$ 40 mil com a Telemar e débitos com previdência municipal, INSS e pagamentos de médicos da cidade (cerca de R$ 1,4 milhão).

Procurado pelo O POVO, o ex-prefeito João Paulo Xerez (PDT) não retornou com um posicionamento sobre o caso até o fechamento desta matéria. Tentamos contato por telefone, email e mensagem. Nenhum número atendeu ou respondeu às mensagens enviadas. O e-mail que João deixou disponível em suas redes sociais não existe.