PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Casarão dos Fabricantes será "reconstruído" em um novo espaço e vendas retornam ainda neste mês

A escolha pelo espaço foi feita por unanimidade e um sorteio deve ser realizado nesta quinta-feira, 10, para definir como será feita a distribuição das lojas

Gabriela Almeida
18:34 | 09/09/2020
Casarão dos fabricantes pegou fogo no último sábado, 5 (Foto: FCO FONTENELE)
Casarão dos fabricantes pegou fogo no último sábado, 5 (Foto: FCO FONTENELE)

Após um incêndio ter danificado sua estrutura nessa última semana, o Casarão dos Fabricantes será reconstruído em um espaço localizado na Rua Rufino de Alencar, Centro de Fortaleza, que deve ser edificado para receber os boxes ainda neste mês. Conforme informações de comerciantes, a decisão foi tomada em reunião entre lojistas, advogados e administradores da unidade, realizada nessa terça-feira, 8, na Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE).

Comerciante do Casarão há cerca de 14 anos, Laice Bezerra afirma que a administração do local deu cinco opções de espaços para que os donos dos cerca de 267 boxes realocassem suas atividades. A escolha pela nova unidade- no qual funciona atualmente um antigo estacionamento, foi feita por unanimidade e um sorteio deve ser realizado nesta quinta-feira, 10, para definir como será feita a distribuição das lojas.

| LEIA MAIS|

Comerciantes tentam retirar mercadorias que não foram queimadas

Comerciantes haviam reposto peças horas antes do incêndio no Casarão

Homens estariam trabalhando com solda minutos antes do incêndio começar; causas serão definidas após perícia

Procurada pelo O POVO, a administração do espaço não confirmou o novo endereço, mas informou que a opção teve adesão de 98% dos lojistas presentes na reunião. "Todos os esforços estão sendo feitos para que as atividades voltem a funcionar neste mês (setembro) no novo local aprovado pelos lojistas, com carência de custo por box até janeiro de 2021, assessoria de marketing e jurídica", pontuou ainda.

Membros da administração ainda devem promover duas reuniões para auxiliar retomada. Uma com o Banco do Nordeste (BNB) para "definir uma linha de crédito aos lojistas", e outra com as autoridades do poder público para "reiterar o pedido de rápida liberação aos proprietários das mercadorias que não foram afetadas pelo incêndio".

Ainda segundo órgão, a causa e a responsabilidade pelo incêndio ainda não foram identificadas por entidades competentes. "No momento, a preocupação maior está em viabilizar o retorno das atividades do Casarão", pontua.

O Núcleo de Perícia em Engenharia Legal e Meio Ambiente (Nupelm) da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) informou ao O POVO que "mantém os trabalhos preliminares de levantamentos externos acerca do incêndio", dando continuidade as análises externas no entorno da edificação.

A esperança dos recomeços

Laice soube que o fogo consumia seus 14 anos de trabalho quando viajava com a família e recebeu um telefonema e um vídeo do seu filho- mostrando imagens das chamas que já eram altas no espaço. No dia seguinte, logo cedo, ela pegou estrada e foi conferir com os próprios olhos aquilo que o seu coração se recusava a acreditar.

Ao chegar no local, pediu a um bombeiro permissão para entrar no que sobrou da unidade, e só conseguiu ir até onde era seguro- mas foi o bastante para que ela presenciasse suas lojas reduzidas a ruínas. O sentimento a acompanha até hoje, mas a possibilidade de retornar atividades- ainda que tenha perdido parte de seus produtos, a fez reacender uma esperança.

"Não é fácil acordar e saber que não vai ter local para trabalhar. A escolha pelo novo espaço foi a única alternativa viável", pontua ainda. Religiosa, Laice confessa que se apega na história bíblica de Jó, o homem que perdeu tudo e se ergueu, para seguir mantendo a "fé" de que tudo voltará ao normal.

O sentimento é compartilhado por Carlos André, permissionário que há 13 anos atua no Casarão dos Fabricantes e que é dono de 12 boxes no local. Esperançoso com a oportunidade de recomeço, ele considera que esse é o momento de "agradecer", ainda que tenha perdido parte de seus materiais de venda.

"Nós temos que agradecer. (...) “Vamos olhar para frente. Casarão já foi, já era, ficou só as ruínas”, pontua, reforçando ainda que o momento é de "imediatismo" e que a decisão de reerguer a unidade comercial em outro espaço foi necessária diante a isso.