PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Veja como Darlan, um dos homens mais procurados do Ceará, foi localizado e morto no RJ

O foragido da Justiça nunca havia sido preso. Ele foi localizado em um imóvel, no estado do Rio de Janeiro, reagiu à prisão, trocou tiros com a Polícia e morreu no local

14:40 | 31/07/2020
Coletiva na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social. Na imagem, o titular da SSPDS, André Costa, e o delegado geral, Marcus Rattacaso. Foto: Ascom/SSPDS (Foto: Foto: Ascom/SSPDS)
Coletiva na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social. Na imagem, o titular da SSPDS, André Costa, e o delegado geral, Marcus Rattacaso. Foto: Ascom/SSPDS (Foto: Foto: Ascom/SSPDS)

Após oito meses de levantamentos de inteligência para prender um dos indivíduos mais procurados do Estado, a Polícia Civil localizou Alban Darlan Batista Guerra, 25. O foragido da Justiça cearense estava escondido em um imóvel do bairro Gardênia Azul, na zona oeste do Rio de Janeiro. Na madrugada desta sexta-feira, 31, Darlan trocou tiros com equipes da Polícia Civil do Rio, foi baleado e morreu no local. Na ação, foram apreendidos uma pistola calibre ponto 40 e um automóvel de luxo com placas de Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza. Darlan nunca havia sido preso, mas é suspeito de mais de 10 homicídios, entre eles, o do advogado e ex-vereador de Caucaia, Erivaldo Rodrigues

Darlan era um dos braço direito de Francisco Cilas de Moura Araújo, conhecido como Mago, preso no último dia 7 de junho, na cidade de Teresina, no Piauí. As informações foram repassadas em coletiva de imprensa, no fim da manhã desta sexta, 31, na sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), com o titular da pasta, André Costa. Segundo o secretário, o trabalho foi desenvolvido pelas equipes do Departamento de Inteligência Policial (DIP), Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Departamento de Polícia Judiciária Metropolitana (DPJM) e da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core), em conjunto com a Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Há alguns meses, André Costa convocou a força tarefa com o objetivo de desarticular o grupo criminoso que atua em Caucaia. De acordo com Nelson Pimentel, diretor do DIP, foram entre seis e oito meses de investigações na localização de suspeitos apontados como chefes em Caucaia. No dia 10 de julho, foi preso o Wallison "Guabiru", que era o executor da organização criminosa. “O Darlan possuía uma peculiaridade. Ele tinha por característica de se esconder no mato, em Caucaia. Montamos diversas operações para saturar o matagal e forçá-lo a sair de lá, mas ele fugiu. Nós acreditamos que operações na cidade tenha forçado a retirada do Darlan”, informa. No dia 28 de julho, com informações de inteligência cibernética, foi possível identificar a localização do criminoso.

Na manhã desta quinta-feira, 30, segundo Pimentel, a Polícia já tinha o endereço do local onde o criminoso estava escondido. Nesta sexta-feira, 31, uma equipe da Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos Automotores do Rio se deslocou até o imóvel, tirou uma fotografia na frente da casa e foi verificado que havia um veículo com a placa de Caucaia. Com o uso do Sistema Policial Indicativo de Abordagem (Spia), a Polícia conseguiu identificar que o carro fez o trajeto de Fortaleza, saindo no último dia 26 e chegando ao Rio de Janeiro no dia 28 de julho. “Todas as informações estavam casando para que o Darlan estivesse nessa casa no bairro Gardênia Azul, no Rio de Janeiro”, diz.

Na ação, houve troca de tiros, mas os policiais não se feriram. De acordo com o delegado Pimentel, Darlan é acusado de dezenas de homicídios e formalmente, a Polícia tem cerca de 10 inquéritos policiais, muitos dessas mortes como executor e outras como mandante. Darlan nunca foi preso e usava da rede de proteção que a quadrilha tinha no município de Caucaia. “Ele tinha uma rede de informações ao ponto que, sempre que íamos em busca dele, o Darlan sempre tinha essa informação, conseguia fugir e isso dificultava as nossas informações”, aponta. A Polícia deve continuar as investigações sobre o grupo criminoso de Caucaia.