PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Chefe de facção criminosa de Caucaia é preso em Teresina; outros membros do grupo são detidos no Ceará

O criminoso integrava a lista dos mais procurados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) e tinha mandados abertos por tráfico de drogas, associação para o tráfico, associação criminosa e porte ilegal de armas de fogo

14:37 | 08/07/2020
Imagens da operação realizada nesta terça-feira, 7 em Teresina (Foto: Divulgação/SSPDS)
Imagens da operação realizada nesta terça-feira, 7 em Teresina (Foto: Divulgação/SSPDS)

O chefe de uma facção criminosa de Caucaia e um dos homens mais procurados do Estado foi preso em um apartamento de alto padrão no bairro Uruguai, em Teresina, Piauí, na última terça-feira, 7. Conhecido como “Mago”, Francisco Cilas de Moura Araújo, 44, foi encontrado após uma ação da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), por meio da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) e do Departamento de Inteligência Policial (DIP). O homem era investigado por, além de chefiar a organização, ser mandante de, pelo menos, sete homicídios em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza.

As informações foram repassadas no fim da manhã desta quarta-feira, 8, em coletiva de imprensa da sede da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS). A operação segue na manhã e tarde desta quarta, 8. Até as 13 horas, outras sete pessoas, todas da mesma organização criminosa, já haviam sido capturadas.

Cilas integrava a lista dos homens mais procurados da SSPDS e tinha mandados abertos por tráfico de drogas, associação para o tráfico, associação criminosa e porte ilegal de arma de fogo. “Ele comandava, dava ordens para homicídios na cidade (de Caucaia) e, com a prisão do Cilas e dos outros sete, esperamos que os índices de homicídio caiam na cidade. Ele vai ficar em isolamento, seja no nosso sistema, seja no sistema federal”, informou o titular da SSPDS, André Costa, durante a coletiva.

O secretário disse que esteve, pessoalmente, no matagal, em Caucaia, onde o Cilas morava. E informou que Cilas era o responsável pelo recrutamento de novos integrantes da facção, com um braço no Comando Vermelho. A maioria dos novos integrantes do grupo criminoso era adolescente.

Cilas também já responde por dez inquéritos policiais, entre eles, sete homicídios, um porte ilegal de arma e por furto. A Secretaria ofereceu a recompensa de R$ 10 mil para quem passasse informações, mas não foi informado se o valor chegou a ser pago.

Alisson Gomes, delegado adjunto da Draco que comandou a operação, detalhou que, no condomínio onde Cilas morava, o criminoso não saía do apartamento e chegou a dizer que vivia como se já estivesse preso. "Mas ele estava em um condomínio como se fosse um cidadão comum. Os vizinhos não viam o Cilas, somente sua mulher, as duas crianças e uma acompanhante saíam para fazer compras", aponta. Durante a prisão, foi encontrada, no apartamento, uma identidade falsa, que ele utilizava para ocultar os mandados de prisão. Ainda segundo o delegado, Cilas estava com aparência diferente, com o objetivo de não ser reconhecido. Com o uso de ferramentas de inteligência da Draco, foi possível fazer o reconhecimento.

Cilas é réu pelo duplo assassinato que vitimou o PM Kléber Xavier Martins e o adolescente Roberto Moura Rodrigues, em 2012. Ele fugiu do Instituto Penal Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II), onde cumpria pena, em julho de 2016. No inquérito da operação Soure, deflagrada em 2018, um policial do serviço reservado da PM apontava Cilas como chefe do tráfico de oito bairros de Caucaia, incluindo Capuã e Boqueirão.

A Comissão Estadual do Programa de Recompensa - garantida na Lei n° 16.829/2019, conhecida como Lei da Recompensa, oferecia R$ 10 mil, no início de 2020, para informações da localização ou à prisão de Cilas. O filho dele, o Kildare Willam Cavalcante Rebouças, de 23 anos, foi preso no dia 16 de janeiro.

Além dele, outro chefe de facção, Alban Darlan Batista Guerra, autuado por porte ilegal, disparo de arma de fogo, associação criminosa e homicídios, também está sendo procurado e está na lista de criminosos procurados sob pagamento de recompensa para informações. Os dois são apontados como fundadores do Comando da Laje, uma nova facção criminosa que é responsável por homicídios em Caucaia.

LEIA MAIS| Chefes de facção seguem foragidos e informações rendem R$ 10 mil

Em suas redes sociais, o titular da pasta da segurança no Estado, o delegado André Costa, comentou sobre o caso nesta quarta-feira, 8. “Prendemos o chefe de uma facção atuante em Caucaia. O criminoso estava escondido em um apartamento no Piauí, mas foi capturado em ação interestadual”, escreveu.

LEIA MAIS| Polícia fecha cerco contra fundadores de nova facção em Caucaia

O secretário afirmou também sobre outras prisões em Caucaia e Fortaleza. A ação contou com 120 policiais civis e teve o apoio da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer). Por volta das 10 horas da manhã, moradores dos bairros Conjunto Metropolitano, Nova Metrópole, Jurema e Araturi relataram a movimentação policial.

Participaram também os departamentos Técnico Operacional (DTO), de Polícia Judiciária Especializada (DPJE), de Proteção aos Grupos Vulneráveis (DPGV), de Polícia Judiciária da Capital (DPJC), de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core) da PCCE.  Foi apreendido um anel de ouro com as inicias MG, de mago. 

Outros componentes da quadrilha que foram presos são: Jean Teixeira dos Reis, 23, com antecedente criminal por roubo; Adriano Márcio Aliança Góis Júnior, 21, com passagem por integrar organização criminosa e com mandado de prisão por receptação, corrupção de menor, porte ilegal de arma de fogo;
Hamilton da Silva Pequeno, 41, com mandado de prisão por homicídio; Ismael Gomes da Silva Neto, 33, com antecedentes criminais por tráfico, associação para o tráfico e roubo; Webster Azevedo dos Santos, 39, com antecedentes criminais por receptação, estelionato, associação criminosa e por dirigir sem habilitação, mandado por roubo, corrupção de menor e receptação; Wellington de Souza do Nascimento, 45, com antecedente por tráfico e Ivan de Souza Vieira, 40, com passagens por lesão corporal dolosa, violência doméstica, roubo, estelionato e na lei das contravenções penais e mandado de prisão por roubo.

 

Colaborou Júlia Duarte

Clique na imagem para abrir a galeria