PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Operação Contra Ataque captura 79 pessoas envolvidas em ataques criminosos no Ceará

Ao todo são mais de 2 mil policiais militares nas ruas. Essa é a segunda fase da ação, que começou durante as primeiras horas da madrugada

21:52 | 02/10/2019
BLITZES foram realizadas ontem em pontos críticos da Capital e outras regiões do Estado
BLITZES foram realizadas ontem em pontos críticos da Capital e outras regiões do Estado(Foto: Julio Caesar/Julio Caesar)

A Operação Contra Ataque, realizada nesta quarta-feira, 2, já capturou 79 pessoas. As duas últimas prisões aconteceram por volta das 18h. Ao todo 68 adultos foram presos e 11 menores de idade apreendidos. Com as demais pessoas capturadas, somam-se 240 prisões em pouco mais de 1 semana pelas Polícias Civil e Militar. As prisões dessa quarta foram realizadas por cerca de 280 policiais civis. 

Apesar de desde segunda-feira, 30, não haver nenhum ataque criminoso confirmado oficialmente, a Polícia segue tentando localizar e prender os suspeitos envolvidos. De acordo com o coronel Alexandre Ávila, comandante geral da Polícia Militar, a operação tem como objetivo melhorar a presença policial, ocupar os pontos da cidade com o maior número de delitos e aumentar a sensação de segurança na Capital e em todo o Estado.

Participam da operação todas as Forças Especiais, os 4 Batalhões de Choque, Batalhão Raio, Batalhão de Polícia do Meio Ambiente, Cavalaria, unidades da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e Forças Táticas da Capital, interior do Estado e Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Ao todo são mais de 2 mil policiais militares realizando ação de saturação e abordagem nas ruas. Essa é a segunda fase da ação, que começou durante as primeiras horas da madrugada. No Interior, as ações acontecem em cidades mais populosas e com maiores riscos, onde os postos da PRE fazem pontos de retenção.

"É uma grande operação, em que a gente tem o intuito de garantir segurança à população. [...] Nós vamos prender e responsabilizar todos os envolvidos nessas ações criminosas ", declarou o secretário André Costa ao O POVO Online.