Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Árbitros são afastados após acusações de assédio e preconceito; entenda

Os dois homens pontuavam as características físicas de um técnico e de jogadoras durante uma partida de handebol feminino. Suas falas foram registradas por uma transmissão ao vivo. Com a repercussão, eles foram afastados; entenda o caso
17:45 | Set. 20, 2021
Autor Mateus Brisa
Foto do autor
Mateus Brisa Estagiário
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Dois árbitros que participavam do Campeonato Brasileiro Júnior de handebol feminino foram afastados pela Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) por causa de comentários pejorativos direcionados a um técnico e a jogadoras na última terça-feira, 14. A partida entre Fundesport/Araraquara e Centro Olímpico, em Sorocaba, interior de São Paulo, foi acompanhada por uma transmissão ao vivo de um canal no YouTube, que registrou as ofensas proferidas. A informação é do portal Globo Esporte.

Nas gravações, é possível ouvir comentários sobre o corpo das jogadoras, como “essa está gostosinha, que delícia” e “elas eram magrinhas, mas engordaram na pandemia”. Ainda, o técnico foi chamado de “seboso, cara de bêbado, mal vestido. Parecia uma moça jogando”. As pessoas mencionadas pela dupla defendem o time de Araraquara. O técnico Robison Santos registrou boletim de ocorrência na manhã desta segunda-feira, 20.

No registro, ele afirma ter sido ofendido com comentários que configuram crime contra a honra, injúria racial e assédio moral. “As atletas estavam estudando e usando vídeos de um canal de handebol e acabaram ouvindo [os] comentários. Ouviram palavras que me ofendiam e elas diretamente. Se sentiram constrangidas, ficaram desequilibradas emocionalmente e me contaram. Prontamente repassei à Confederação Brasileira de Handebol e eles tomaram uma atitude”, explicou Robison.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Repercussão e investigação do caso de assédio e preconceito dos árbitros de handebol feminino

Os dois árbitros em questão foram removidos da competição e expulsos do hotel onde estavam hospedados com o restante da equipe, em Sorocaba, interior de São Paulo, após a repercussão do caso. Uma investigação será liderada pelo Comitê de Política para as Mulheres do Handebol, e o caso será relatado ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O nome dos dois homens envolvidos não foi divulgado pela CBHb.

“São comentários que para muitos podem ser simples, mas que para meninas de 15 a 19 anos incomodam. Dizer sobre a forma física delas e sobre a aparência física do técnico, que incomodou e mudou a vida dele. São atitudes que temos que tomar na hora para não deixar crescer no esporte. Não é só no handebol que acontece isso. Tivemos que tomar uma atitude rápida e drástica”, comentou Lucila Vianna, representante da CBHb no Campeonato Brasileiro Júnior de handebol, ao portal Globo Esporte.

Em nota vinculada à imprensa, a CBHb afirmou repudiar “qualquer ato de preconceito e/ou desrespeito, seja dentro ou fora de quadra. Não podemos concordar ou aceitar comportamentos que não condizem com o handebol brasileiro. Como desportistas, precisamos dar exemplo e contribuir para uma sociedade cada vez mais igual e justa”. O time Fundesport/Araraquara também divulgou nota destacando sua busca por respeito no esporte.

Confira na íntegra nota da CBHb sobre o caso no handebol feminino

A Confederação Brasileira de Handebol comunica que tomou conhecimento dos fatos envolvendo dois árbitros da CBHb durante a realização do Campeonato Brasileiro Júnior Feminino, na cidade de Sorocaba, nesta semana. De forma preventiva, foram adotadas as seguintes providências.

- Afastou os envolvidos em definitivo da competição;
- Cautelarmente, afastou também do quadro de árbitros da CBHb;
- Determinou que a diretora do Comitê de Política para as Mulheres do Handebol, Lucila Vianna, destaque um representante do Comitê para acompanhar de perto todo o caso e emita um relatório final com análise de todo o processo e iniciativas que devem ser tomadas para evitar a repetição dos fatos.

Além disso, a Confederação comunicará o caso ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), por meio da Procuradoria de Justiça Desportiva, para que ocorra a apuração e, se necessário, o julgamento do caso de forma justa, segundo o que rege o Código Brasileiro de Justiça Desportiva, sem prejuízos de outras possíveis providências judiciais que a entidade julgue cabíveis no decorrer da apuração dos fatos.

A Confederação repudia qualquer ato de preconceito e/ou desrespeito, seja dentro ou fora de quadra. Não podemos concordar ou aceitar comportamentos que não condizem com o handebol brasileiro. Como desportistas, precisamos dar exemplo e contribuir para uma sociedade cada vez mais igual e justa.

A CBHb se coloca à disposição de todos que estão participando do Campeonato Brasileiro Júnior Feminino para contribuir com o que for necessário.

Confira na íntegra nota do Fundesport/Araraquara sobre o caso no handebol feminino

Nossa equipe não tolera nenhum tipo de preconceito, violência moral, crime contra honra e atitudes machistas, ainda mais quando são cometidos dentro de quadra.

Nossa história sempre foi de luta e sempre buscamos a igualdade dentro do esporte, e infelizmente fomos alvos de comentários que vão contra os nossos princípios.

Informamos que não iremos ignorar esta situação e já estamos tomando todas as medidas cabíveis para que seja feita a justiça diante do ocorrido.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags