Participamos do

Governo autoriza vacinação apenas para as grávidas e puérperas com comorbidades

Até o momento, os testes de vacinação neste grupo são insuficientes para comprovar a existência de risco associados aos imunizantes
23:35 | Mai. 11, 2021
Autor Lara Vieira
Foto do autor
Lara Vieira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira, 11, que a vacinação de grávidas e de mulheres no período pós-parto contra a Covid-19 será restrita somente às que possuem comorbidades. Além disso, apenas as vacinas CoronaVac e Pfizer estão autorizadas a serem aplicadas nesse grupo. De acordo com o MS, a princípio, o imunizante AstraZeneca não será disponibilizado por conta das investigações envolvendo o caso da morte de uma gestante, de 35 anos, que teria recebido a dose.

LEIA TAMBÉM | Estados suspendem vacinação de grávidas com AstraZeneca

De acordo com o portal G1, a mulher teria morrido, no último dia 10 de maio, por conta de um acidente vascular cerebral hemorrágico (AVC). A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda não tem comprovação de que a vacina tenha causado o óbito. No entanto, a decisão será mantida até que as investigações sejam concluídas.

Segundo Jorge Kalil, chefe do laboratório de imunologia do Incor e consultor do Programa Nacional de Vacinação, eventos adversos deste tipo são raros. “De forma alguma nós gostaríamos que se tivesse a ideia de que essa vacina causa problemas em mulheres grávidas. Não é assim. Esta vacina pode ter casos de trombose, são casos raríssimos, ocorrem em mulheres em idade fértil e que varia de 1 para 100 mil ou 1 para 500 mil pessoas vacinadas”, declarou durante apresentação do MS.

A Anvisa ressaltou, ainda, que os dados apresentados pela vacina AstraZeneca, até o momento, são insuficientes para fundamentar um risco associado com a vacina. Dessa forma, como medida de precaução, a vacinação de gestantes com este imunizante não é recomendada.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

LEIA TAMBÉM | Covid: municípios cearenses suspendem vacinação de grávidas por recomendação da Anvisa

Em nota, fabricante Oxford relatou que "mulheres que estavam grávidas ou amamentando foram excluídas dos estudos clínicos" da vacina. Além disso, a própria bula do imunizante alerta para a falta de testes de fase 3 em grávidas.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags