PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Menina que realizou aborto após ser estuprada pelo tio se recupera bem do procedimento, afirmam advogados

A informação foi repassada publicamente pela equipe de advogados da família da vítima de 10 anos

Alan Magno
00:54 | 18/08/2020
Menina de 10 anos que realizou aborto após engravidar depois de ser estuprada pelo tio no Espírito Santo se recupera bem do procedimento, afirmam advogados  (Foto: Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil)
Menina de 10 anos que realizou aborto após engravidar depois de ser estuprada pelo tio no Espírito Santo se recupera bem do procedimento, afirmam advogados (Foto: Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil)

A criança de 10 anos que realizou um aborto neste domingo, 16, se recupera bem do procedimento de interrupção da gravidez. O aborto foi feito com amparo judicial e da Constituição Brasileira, após a menina ter engravidado depois de uma série de estupros cometidos pelo tio. Crimes ocorreram no Espírito Santo desde os 6 anos da menina. A informação sobre o estado de saúde da vítima foi atualizada na noite desta segunda-feira, 17, pelos advogados da família.

A equipe de defesa da menina afirmou que ela estava se recuperando do procedimento e sendo amparada pela família. Os advogados pontuaram ainda que como forma de proteger a integridade da vítima não iriam revelar maiores detalhes sobre o estado de recuperação da criança, onde ela estava hospedada e nem previsões sobre seu retorno ao Espírito Santo.

O posicionamento da equipe ocorreu por meio de divulgação de nota pública sobre o assunto. No texto, os advogados frisam que somente irão se posicionar por escrito como forma de assegurar o “direito constitucional à intimidade e à dignidade da criança” e que fariam o possível para resguardar a identidade e maiores informações pessoais da vítima.

LEIA TAMBÉM | Confusão com vereadores e deputados marca aborto legal de criança de dez anos no Recife

Eles fizeram ainda um apelo para que as pessoas de modo geral tivessem cuidado ao compartilhar informações sobre a criança, ou sobre eventuais decisões dos pais. “Não compartilhem qualquer tipo de informação”, pontua os advogados.

Eles destacam que no momento, a família, bem como a vítima, precisam de paz para enfrentar o trauma. “Quem tiver real desejo de ser solidário à causa que atenda ao pedido de oração e tranquilidade que a família faz neste momento”, pediram na nota. Ao menos três plataformas na internet já foram notificadas judicialmente para remover qualquer conteúdo do caso sem autorização para divulgação.

Com relação a divulgação feita pela extremista bolsonarista, Sara Winter, de forma não autorizada de informações sobre a vítima e dados sobre o hospital ao qual ela se dirigia para realizar o aborto, os advogados destacaram que iriam acionar a justiça diante de tais publicações. O Ministério Público do Espírito Santo afirmou que irá investigar o vazamento de tais informações.

LEIA TAMBÉM | Sara Winter pode responder a crimes por ter divulgado nome de criança que abortou após estupro

“Reiteramos que todos aqueles que, de alguma forma, violarem os direitos dessa criança serão responsabilizados civil e criminalmente. Já estão sendo tomadas as medidas judiciais necessárias para a repressão e responsabilização daqueles que o fizeram”, reforçam os advogados.

Na nota existe ainda um agradecimento da família ao apoio, às orações e ao amparo que eles vem recebendo. Os empresários Whindersson Nunes e Felipe Neto se comprometeram a ajudar a vítima. Whindersson se ofereceu para pagar tratamento psicológico para a menina até ela completar 18 anos, enquanto Felipe Neto pontuou que gostaria de arcar com as despesas educacionais da garota, até o fim da graduação no ensino superior.