PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Monitoramento de tremores de terra no Brasil está comprometido por falta de manutenção

A crise gerada pela pandemia do coronavírus agravou a situação na maioria dos postos da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR)

Lillian Santos
12:21 | 26/07/2020
Estação ACJC, localizada no município de João Câmara, no Rio Grande do Norte, é uma das 20 estações operadas pelo Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LABSIS/UFRN)
 (Foto: Divulgação/ Rede Sismográfica Brasileira)
Estação ACJC, localizada no município de João Câmara, no Rio Grande do Norte, é uma das 20 estações operadas pelo Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LABSIS/UFRN) (Foto: Divulgação/ Rede Sismográfica Brasileira)

Falta de recursos financeiros e dificuldade no deslocamento de técnicos devido às medidas de prevenção ao coronavírus comprometem a manutenção nas estações da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR), é o que declara a instituição. A missão da entidade é monitorar os abalos sísmicos em todo território nacional e disponibilizar dados acerca da estrutura interna terrestre.

Com a suspensão do transporte de técnicos para a verificação e manutenção das estações espalhadas pelas regiões do Brasil, a crise gerada pela pandemia do Coronavírus agravou a situação na maioria dos postos da RSBR. Em comunicado, Sérgio Luiz Fontes, coordenador-geral da Rede Brasileira, afirma que as restrições nos recursos financeiros não são problemas recentes.

A RSBR é constituída pelas Rede Sismográfica do Sul e do Sudeste do Brasil (RSIS), Rede Sismográfica do Nordeste do Brasil (RSISNE), Rede Sismográfica Integrada do Brasil (BRASIS) e Rede Sismográfica do Centro e Norte do Brasil (RSCN).

Leia também | Maior tremor do Nordeste, que aconteceu no Ceará, completará 40 anos

“Mesmo enfatizando que a falta de recursos é o principal empecilho para assegurar a aquisição contínua de dados em todas estações, a pandemia do novo coronavírus tem inviabilizado qualquer atividade de campo dos profissionais do ON desde a segunda quinzena de março”, ressaltou Sérgio Fontes, que também é pesquisador do Observatório Nacional (ON), operado pela Rede Sismográfica do Sul e do Sudeste do Brasil (RSIS). Em 2020, nenhuma estação da RSIS foi visitada e apenas 50% estão transmitindo dados atualmente.

No Ceará, os eventos sísmicos são captados pelo Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LABSIS/UFRN), uma das quatro instituições que integra a Rede Sismográfica Brasileira. Operando 20 estações espalhadas pelos estados do Nordeste, 17 estão transmitindo dados e apenas 16 receberam manutenção, tornando o Labsis a instituição com mais estações ativas no momento.

Em nota, a RSBR explica que os deslocamentos dos técnicos só ocorreram após a autorização da reitoria da UFRN mediante assinatura de um termo de responsabilidade. Segundo o coordenador do Labsis, Aderson Nascimento, os trabalhos são tratados como casos de extrema necessidade. “Um outro aspecto que deve ser observado é que a presença dos técnicos é fundamental para o engajamento dos moradores locais que, em muitas ocasiões, autorizam a permanência dos equipamentos em suas propriedades”, afirma o coordenador.

No mês de junho, três tremores de terra foram registrados no Estado: dois ocorreram na região de Santana do Acaraú e um outro próximo ao município de Groaíras. Já no início de julho, um tremor com magnitude de 2,5 foi registrado entre os municípios de Chorozinho e Cascavel, sendo o quinto evento sísmico no Ceará em pouco mais de uma semana.

Diferente das estações operadas pelo laboratório da UFRN, diversos postos no Brasil estão sem receber manutenção devido à recomendação de isolamento social e por falta de recursos. Operando 25 estações nas regiões Norte e Centro-Oeste, apenas uma estação do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (OBSIS/UnB) recebeu manutenção este ano e seis já pararam de funcionar.

Leia tambémConfira detalhes dos maiores tremores de terra registrados no Ceará

Com estações instaladas em regiões de difícil acesso, a UnB recomendou a suspensão temporária das atividades em função da segurança dos técnicos, já que eles viajavam em barcos e aviões, o que, no momento atual, os deixariam expostos ao coronavírus. “As medidas tomadas pela UnB são justas e necessárias. Aqui no OBSIS todas as viagens de manutenção foram suspensas. Ninguém está viajando visando a segurança dos envolvidos, seguindo as recomendações da Universidade”, esclarece Marcelo Rocha, coordenador do Obsis.

Leia maisConfira detalhes dos maiores tremores de terra registrados no Ceará

As 28 estações operadas pelo Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP) não recebem a devida manutenção há mais de nove meses. Com estações localizadas no Sul e no Sudeste do País, cerca de 10 viagens já foram canceladas desde o início da pandemia. Ainda conforme a nota, algumas estações do Centro de Sismologia da USP estão desligando à noite, o que atrapalha a captação dos dados em tempo real. “É difícil dizer hoje o quanto do monitoramento já foi comprometido. O que já ocorreu é, ao verificar a demanda de algum sismo, as estações mais próximas estarem inacessíveis, seja por problema de energia ou transmissão”, explica Marcelo Bianchi, coordenador do Centro.