PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Líder indígena, cacique Raoni receberá alta neste sábado, 25

O líder indígena de 90 anos foi tratado de úlceras gástricas e uma infecção intestinal. Ele chegou a ficar nove dias internado

22:54 | 24/07/2020
O cacique Raoni Metuktire receberá alta neste sábado, 25, após nove dias internado (Foto: Divulgação)
O cacique Raoni Metuktire receberá alta neste sábado, 25, após nove dias internado (Foto: Divulgação)

O cacique Raoni Metuktire, conhecido por sua luta pela conservação da Amazônia brasileira, receberá alta neste sábado, depois de ficar hospitalizado por uma semana devido a problemas de úlcera, informou o centro médico nesta sexta-feira, 24. Ele estava internado desde o inicio da semana e apresentou resultado negativo para o novo coronavírus

"A saída está confirmada no sábado", disse à AFP um porta-voz do hospital Dois Pinheiros de Sinop, no estado do Mato Grosso, onde o líder Kayapo de 90 anos foi tratado por úlceras gástricas e uma infecção intestinal. 

"O cacique Raoni receberá alta do hospital e retornará para sua aldeia, Metuktire. Em nome do cacique Raoni agradecemos todo o apoio e carinho dado", escreveu o Instituto Raoni em sua conta no Twitter. A alta médica do líder indígena estava sem data desde a quinta-feira, quando a equipe médica que o atendeu detectou novas úlceras e inflamação do cólon.

LEIA TAMBÉM | Campanha sobre prevenção do coronavírus em comunidades indígenas é lançada no Ceará

Os resultados de uma biópsia ainda são aguardados. Uma coletiva de imprensa está agendada para o sábado com a presença de médicos que o trataram, familiares e membros de seu instituto. "Ainda está sendo avaliada a participação do cacique Raoni na coletiva, uma vez que está de luto pela morte da esposa e a tradição indígena exige reclusão total", informou o hospital em nota.

O cacique enfrentou este problema de saúde após a morte de sua esposa, Bekwyjka, em 23 de junho, por um derrame. Raoni foi inicialmente hospitalizado na quinta-feira da semana passada na pequena cidade de Colíder (Mato Grosso) e transferido para Sinop no sábado. 

Caracterizado por seus cocares de penas coloridas e pelo grande disco inserido em seu lábio inferior, Raoni viajou pelo mundo nas últimas três décadas para conscientizar sobre a ameaça de destruição na Amazônia.

Ele foi acusado pelo presidente Jair Bolsonaro de estar a serviço de potências estrangeiras. Raoni, em entrevista à AFP, acusou Bolsonaro de querer "tirar proveito" da pandemia de coronavírus para promover projetos que ameaçam os povos indígenas.

Mais de 18.000 indígenas foram infectados e 570 morreram de COVID-19, de acordo com a Associação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), que alerta para o risco que correm 900.000 habitantes de aldeias tradicionais no Brasil.

Outro líder indígena emblemático do país, o chefe Paulinho Paiakan, morreu em junho depois de ser contaminado pelo coronavírus. Mais de dois milhões de pessoas foram contaminadas e mais de 77.000 faleceram em decorrência da doença no Brasil.